Tempo
|
A+ / A-

Professores e tutela terminam reunião sem acordo e com novas greves à vista

20 abr, 2023 - 21:32 • Lusa

A Fenprof faz parte da plataforma de nove estruturas sindicais que hoje voltou a discutir a proposta da tutela para acelerar as progressões na carreira e minimizar as assimetrias provocadas pelo congelamento e que os sindicatos têm alertado que "deixa de fora muitos docentes".

A+ / A-

A reunião entre ministério da Educação e sindicatos terminou sem acordo e com os professores a ameaçar continuar com greves até aos exames nacionais caso a tutela recuse recuperar todo o tempo de serviço congelado.

"O Ministério da Educação não admite recuperar qualquer dia do tempo de serviço. O senhor ministro diz que não está no programa do Governo, mas está no programa dos professores", afirmou o secretário-geral da Federação Nacional de Professores à saída da reunião com responsáveis do ministério.

A Fenprof faz parte da plataforma de nove estruturas sindicais que hoje voltou a discutir a proposta da tutela para acelerar as progressões na carreira e minimizar as assimetrias provocadas pelo congelamento e que os sindicatos têm alertado que "deixa de fora muitos docentes".

Mário Nogueira voltou hoje a lembrar que a proposta da tutela deixa de fora os professores que trabalham, por exemplo, nos hospitais ou nas prisões, assim como na Casa Pia ou na Santa Casa da Misericórdia.

Destinada aos professores que trabalharam durante os dois períodos de congelamento da carreira (desde 2005), a proposta da tutela prevê que recuperem o tempo em que ficaram a aguardar vaga no 4.º e no 6.º escalões a partir do ano de descongelamento (2018), que fiquem isentos de vagas de acesso aos 5.º e 7.º, além da redução de um ano na duração do escalão para aqueles que também ficaram à espera de vaga, mas já estão acima do 6.º.

A plataforma decidiu que vai pedir uma reunião extraordinária que não será "para discutir vírgulas" do documento apresentado pelo ministério, mas sim para pressionar a tutela a chegar a acordo quanto à recuperação dos seis anos, seis meses e 23 dias de progressão da carreira que ainda estão por recuperar.

A abertura de um número de vagas igual ao número de professores que pretendem aceder aos 5.º e 7.º escalões é outras das reivindicações dos docentes acrescentou o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.

Sem acordo, os sindicatos prometem continuar a lutar e ameaçam com novos protestos, alem da greve por distritos que está a decorrer desde segunda-feira e vai terminar a 12 de maio em Lisboa.

A possibilidade de realizarem greve aos exames nacionais também está em cima da mesa: "Os professores têm-nos dito isso e nós não afastamos cenários nenhuns, só se houver uma solução para estes problemas", acrescentou Mário Nogueira, sublinhando que os docentes preferiam que não fosse necessário.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    20 abr, 2023 Lisboa 21:34
    Além do prejuízo para as aprendizagens que já é incalculável - muitos professores "respondem" aos serviços mínimos não dando nas aulas de serviços mínimos, matérias que vão sair em exames - é de lamentar várias coisas: a passividade do "presidente de todos os portugueses"; o silêncio da dita Oposição; a lentidão dos Tribunais em vir a terreiro dizer da legalidade ou ilegalidade dos serviços mínimos; a falta de coragem dos Sindicatos que alinham numa farsa negocial ainda por cima insinuando que estão a obter "vitórias" só por se rebaixarem a um simulacro de negociações e apesar de representarem 120 000 docentes, não têm coragem de lançar uma campanha de desobediência civil generalizada fazendo os professores manterem a greve ignorando os serviços mínimos e repudiando a requisição civil que se lhes seguisse; e por fim dos próprios professores que vão mantendo as escolinhas e o sistema a funcionar com serviços extraordinários, atividades não-letivas cumpridas na integra, aulinhas de apoio, tutoriazinhas da treta, visitinhas de estudo, atividadezinhas, etc, e depois queixam-se e lamentam-se na sala dos professores com “choros de raiva” e gritos de “aqueles bandidos…”, depois ajudarem a manter o sistema a funcionar. Com uma tripulação destas, não há Capitão que leve o navio a bom porto!

Destaques V+