Tempo
|
A+ / A-

Ministro da Saúde apela a maior prescrição de medicamentos genéricos

18 abr, 2023 - 17:40 • Lusa

Um em cada 10 portugueses não comprou no ano passado alguns dos medicamentos prescritos pelo médico por causa do custo, um valor que aumentou face ao ano anterior, indica estudo.

A+ / A-

O ministro da Saúde apelou hoje a uma maior prescrição de medicamentos genéricos, mais baratos do que os de marca, para reduzir a franja da população que não consegue comprar todos os fármacos prescritos.

Segundo um estudo hoje divulgado - Índice de Saúde Sustentável - Um em cada 10 portugueses não comprou no ano passado alguns dos medicamentos prescritos pelo médico por causa do custo, um valor que aumentou face ao ano anterior.

Em declarações aos jornalistas no final da cerimónia de apresentação do estudo, no Centro Cultural de Belém (Lisboa), Manuel Pizarro sublinhou que "não tem havido um aumento de custo dos medicamentos para as pessoas" pois os preços "têm-se mantido estáveis", mas, face aos dados divulgados, reconheceu a importância de "encorajar uma maior prescrição de medicamentos genéricos".

"Ao contrário da inflação que atinge tantos setores da vida nacional, nos medicamentos não tem havido inflação, os preços têm-se mantido estáveis", disse o governante, reconhecendo, contudo, que é preciso prestar especial atenção às pessoas com maior vulnerabilidade económica para poder "compensar" essa dificuldade na compra de medicamentos.

Lembrou que as taxas de comparticipação das pessoas com menos disponibilidade económica são mais elevadas do que as taxas de comparticipação gerais, mas sublinhou: "ainda assim, sempre que um estudo destes nos chama a atenção para um problema, temos que estudar como é que podemos chegar a esse setor da população que, sendo minoritário, tem que ter o mesmo direito que todos os outros" de recorre aos medicamentos.

Segundo o Índice de Saúde Sustentável, desenvolvido pela Nova Information Management School (Nova IMS), 89% dos portugueses tomaram algum medicamento prescrito por um médico em 2022, mas o custo dos medicamentos fez com que 10% tivessem optado por não comprar algum dos fármacos prescritos.

De acordo com o ministro, no primeiro trimestre deste ano a prescrição de genéricos atingiu os 51,7%.

Questionado sobre o acesso aos cuidados de saúde, designadamente o recurso excessivo às urgências, reconheceu que é um tema que precisa de uma "profunda reflexão".

"Há décadas que temos um afluxo excessivo de pessoas à urgência", disse o ministro, reconhecendo a complexidade de organizar um sistema que tem um afluxo à urgência que é "quase o dobro da generalidade dos países europeus".

O responsável sublinhou que a urgência tem de estar reservada mesmo para casos urgentes e que a solução passa por "garantir que as pessoas têm um espaço alternativo à urgência que podem procurar quando estão numa situação de doença aguda", dando o exemplo do que foi feito no último inverno, em que houve fins de semana com "mais de 230 espaços de cuidados de saúde primários abertos à população".

"Este trabalho não se faz de um dia para o outro porque é preciso que as pessoas se convençam que é seguro ir aos centros de saúde procurar um cuidado numa situação de doença aguda", reconheceu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+