Tempo
|
A+ / A-

STOP vai avançar com "formas criativas" de lidar com serviços mínimos da greve

04 fev, 2023 - 19:04 • Lusa

Para o coordenador do STOP, é necessário não voltar às formas de luta "dos últimos quarenta anos", "com professores para um lado e não docentes para o outro".

A+ / A-

O Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP) vai avançar com "formas diferentes e criativas" para lidar com os serviços mínimos decretados para a greve dos professores, afirmou este sábado o coordenador daquela estrutura sindical.

"Nós decidimos [avançar com] formas diferentes e criativas de continuar esta greve, mesmo com os serviços mínimos", disse André Pestana, que falava na entrada do auditório do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), onde se reuniu mais de uma centena de representantes de comissões sindicais e de greve hoje à tarde.

Questionado pelos jornalistas sobre que formas criativas serão essas, o coordenador do STOP referiu que as mesmas serão feitas "dentro da legalidade" e serão conhecidas "a seu devido tempo", realçando que, por vezes, "é o efeito-surpresa que também tem algum impacto".

No final da reunião, profissionais docentes e não docentes entoaram vários cânticos, prometendo não abrandar na luta.

"Tivemos pessoas de norte a sul do país e o que nos une aqui não é só melhores condições para quem trabalha -- docentes e não docentes -, mas também para os nossos alunos, os nossos filhos e os nossos netos, daí se ver esta garra que vai continuar", asseverou o coordenador do STOP.

Na reunião, saiu igualmente a vontade de a manifestação convocada para 11 de fevereiro juntar também os profissionais não docentes das escolas e as suas reivindicações.

"Temos de envolver toda a comunidade educativa. Devemos convidar os pais e os alunos", defendeu André Pestana.

Para o coordenador do STOP, é necessário não voltar às formas de luta "dos últimos quarenta anos", "com professores para um lado e não docentes para o outro".

"Isso só nos tem levado a derrotas", vincou, considerando que uma escola pública de qualidade é assegurada "por todos os que nela trabalham".

Questionado sobre até quando poderá ir a greve por tempo indeterminado, iniciada em 09 de dezembro e para a qual já foram entregues pré-aviso até 24 de fevereiro, André Pestana sublinhou que essa decisão cabe aos profissionais docentes e não docentes.

"Quando for decisão dos profissionais docentes e não docentes parar esta greve ou achar que o ministro cedeu em algo significativo, nós não teremos qualquer problema em parar", vincou.

André Pestana criticou ainda o Governo por ter "sempre milhares de milhões de euros para banqueiros e para parcerias público privadas".

"Os bancos estão a assumir lucros recorde e a população portuguesa recorda-se muito bem de que há poucos anos, quando os bancos deram prejuízo, tivemos que dividir os prejuízos por toda a população. Agora, que dão lucro, é só para meia dúzia de acionistas, quando esses milhões são necessários na escola pública, na saúde pública, nos serviços públicos", frisou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    09 fev, 2023 Lisboa 11:15
    É melhor que façam alguma coisa de inovador pois começa-se a sentir que o ME está a ganhar. Marchas de dezenas de milhares de professores e não-docentes podem mostrar números e descontentamento, mas não resolvem nada. E fora o STOP, as outras greves terminaram sem resultados. O ministro habilmente arrasta as negociações em questões secundárias - o que se discute ou já existe ou é imposição de Bruxelas à qual o governo não podia fugir - enquanto as questões mais importantes para os professores, nem sequer fazem parte da agenda. Os Sindicatos, em vez de dizerem "se não é para discutir tal e tal ... não vale a pena haver reunião e a greve vai continuar" , estão a deixar-se enredar na tática de arrastamento das negociações, vencer pelo cansaço e de "negociação" perpétua sem chegar a lado nenhum. Nunca mais terão uma mobilização como a que têm agora, logo é agora ou nunca. Se querem que a vossa luta dê resultados visíveis e não vitórias de Pirro, sugiro que deixem de andar atrás da agenda do ministro e comecem a impor a "vossa" agenda.

Destaques V+