Tempo
|
A+ / A-

Polícia Judiciária já identificou suspeito do envio de cartas para embaixada da Ucrânia

07 dez, 2022 - 20:28 • Redação

Unidade de Contraterrorismo da Polícia Judiciária fala de duas cartas consideradas suspeitas de conterem vestígios químicos ou um produto incendiário. INSA e Polícia Científica detetaram vestígios biológicos de sangue animal na correspondência suspeita.

A+ / A-

A Polícia Judiciária (PJ) já identificou o autor das cartas suspeitas enviadas na última segunda-feira para a embaixada da Ucrânia, em Lisboa, avança a CNN Portugal.

Segundo a Unidade de Contraterrorismo da PJ, trata-se de duas cartas consideradas suspeitas de conterem vestígios químicos ou um produto incendiário.

A análise aos envelopes e ao conteúdo das cartas, pelo Instituto Ricardo Jorge e pelo Laboratório de Polícia Científica, detetou vestígios biológicos de sangue animal e olhos de animais, à semelhança do que já tinha sido identificado noutras cartas enviadas para embaixadas e consulados ucranianos em Espanha, na Hungria, nos Países Baixos, na Polónia, na Croácia, na República Checa e em Itália.

Em todos os casos, o suspeito simula que o remetente é a norte-americana Tesla, com as autoridades a admitirem que o objetivo será atingir a empresa de Elon Musk, por causa das posições assumidas pelo magnata sul-africano sobre a guerra na Ucrânia.

A CNN Portugal acrescenta que o autor destas ameaças está identificado num país da União Europeia, numa situação compatível com a que ocorreu em Espanha, onde várias instituições receberam pacotes suspeitos com um mecanismo que provoca uma deflagração repentina.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+