Tempo
|
A+ / A-

Prisão preventiva para cinco detidos da "Operação Admiral"

06 dez, 2022 - 13:43 • Lusa

Em causa estão crimes de fraude fiscal qualificada, associação criminosa, branqueamento e falsificação de documento.

A+ / A-

O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto decretou esta terça-feira prisão preventiva para cinco dos 14 detidos no âmbito da Operação Admiral, estando em causa crimes de fraude fiscal qualificada, associação criminosa, branqueamento e falsificação de documento.

De acordo com a decisão do juiz de instrução Pedro Miguel Vieira, estes cinco arguidos estão ainda sujeitos à proibição de se contactarem.

Segundo a nota divulgada à comunicação social, o sexto arguido que ainda se encontra detido viu ser-lhe aplicada a medida de coação de prisão domiciliária, sendo que “até que se mostrem preenchidos todos os requisitos necessários” para o cumprimento dessa medida irá aguardar em prisão preventiva.

Quanto aos restantes oito arguidos, o TIC do Porto aplicou as medidas de Termo de Identidade e Residência (TIR), proibição de constituírem sociedades e/ou abrir contas bancárias ou nelas deterem poderes de movimentação, proibição de contactar entre si e/ou com qualquer interveniente processual e proibição de se ausentar para o estrangeiro sem autorização prévia do tribunal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+