Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Serviços prisionais. Formando perde dedo em acidente com arma durante curso

25 nov, 2022 - 11:54 • Lusa

Acidente aconteceu em Monsanto com "uma caçadeira municiada com pólvora seca (munição de salva)".

A+ / A-

Um acidente com arma de fogo durante um curso de formação de novos elementos do Grupo de Intervenção dos Serviços Prisionais (GISP) provocou um ferido grave, com um formando a perder o dedo de uma mão.

O acidente ocorreu durante uma sessão de instrução antimotim na tarde de quinta-feira, nas instalações do GISP em Monsanto, em Lisboa, junto ao estabelecimento prisional, no decurso da formação de novos elementos deste grupo da guarda prisional, confirmaram o presidente do Sindicato Independente do Corpo da Guarda Prisional (SICGP), Júlio Rebelo, e a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

Júlio Rebelo revelou que o acidente com arma de fogo provocou a perda do dedo de uma mão ao formando vítima do incidente e que o curso de formação se encontra suspenso.

Segundo a DGRSP o acidente aconteceu com "uma caçadeira municiada com pólvora seca (munição de salva)", sendo que, explicou, por seu lado, Júlio Rebelo, na formação de novos elementos é usado material específico para essa finalidade, sem utilização de munições reais.

De acordo com a DGRSP, "o INEM foi imediatamente acionado e encaminhou o formando para Hospital do SNS, do qual teve alta no decurso da noite".

"Foi determinada a abertura de processo interno de averiguações a cargo do Serviço de Auditoria e Inspeção - Sul (coordenado por Magistrado do Ministério Público), com vista ao apuramento das circunstâncias em que o acidente teve lugar. A ocorrência foi igualmente comunicada à Polícia Judiciária", adiantou a DGRSP.

Júlio Rebelo referiu que a arma na origem do acidente foi recolhida no local pela PSP.

Questionado pela Lusa sobre o nível de experiência destes formandos no manuseamento de armas, o presidente do SICGP disse que o curso de formação incluía guardas prisionais recém-formados, com um máximo de cinco anos de experiência profissional e que muitos deles são ex-militares. Referiu também que os guardas prisionais têm formação de tiro todos os anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+