Tempo
|
A+ / A-

Explicador

Covid-19. Quem testa positivo fica em casa? Veja as novas recomendações da DGS

11 nov, 2022 - 08:10 • Anabela Góis

A Direção-Geral de Saúde reforçou as diretrizes para pessoas com sintomas de infeção respiratória, sobretudo, para quem testa positivo à Covid-19.

A+ / A-

Se testar positivo ao novo coronavírus?

A DGS recomenda que caso de teste positivo à Covid-19 deve ficar isolado em casa.

Nos últimos meses instalou-se a ideia de que mesmo com infeção, as pessoas poderiam fazer mais ou menos a vida normal, mas a DGS vem sublinhar que, pelo menos, durante cinco dias quem estiver positivo deve evitar contactos com outras pessoas com quem viva, fazer refeições à parte e evitar partilhar espaços. Mas, isso não for possível deve usar sempre máscara e arejar a habitação.

Não havendo isolamentos obrigatórios como se justifica as faltas a trabalho?

Só se a pessoa tiver baixa passada pelo médico.

Mas se por um lado, Governo e especialistas consideram que não são necessárias medidas adicionais, por outro, a DGS emitiu estas recomendações para que os infetados evitem contactos sociais e fiquem em teletrabalho se houver condições e a entidade patronal permitir. Afinal, deixou de haver lei que dê cobertura vinculativa a esta recomendação.

E se a pessoa infetada tiver que sair?

A DGS acrescenta que se a pessoa infetada tiver mesmo de sair de casa deve evitar locais com aglomerados, como transportes públicos, manter o distanciamento de metro e meio ou, se isso não for possível, usar uma máscara do tipo “Respirador FFP2” bem-adaptado ao rosto.

Além disso, deve cumprir as habituais regras de etiqueta respiratória: cobrir a boca e o nariz com lenços de papel ao tossir ou espirrar, desinfetar as mãos depois de tossir, lavar frequentemente as mãos com água e sabão e evitar tocar no rosto.

Esta recomendação da DGS também se aplica às crianças que tiverem Covid-19?

As crianças só devem ficar em casa se tiverem febre, seja porque têm Covid-19 ou outra qualquer infeção respiratória. Assim, desde que tenham sintomas ligeiros como tosse, dor de garganta ou nariz a pingar crianças e jovens devem continuar a ir às aulas.

Isto também é válido para os casos de crianças que vivam com um adulto infetado e que esteja em isolamento?

Sim, devem continuar a ir à escola. A Direção-Geral da Saúde lembra que as infeções das vias respiratórias são comuns em crianças e jovens, nomeadamente no outono e no inverno, e na maioria dos casos não são graves.

Se houver um agravamento das queixas, os pais devem contactar o SNS24 ou o médico assistente, especialmente se a criança tiver menos de dois anos.

Esta é também a época dos vírus respiratórios. Há indicações diferentes para os outros casos?

Não, as orientações são iguais são todos, que devem respeitar a etiqueta respiratória. A única exceção é o isolamento por cinco dias válido para a Covid-19. Aliás, a DGS admite ser difícil determinar de que tipo de vírus é que estamos a sofrer, pois os sintomas são muito semelhantes, seja de gripe, da Sars Cov2 ou o do chamado vírus sincicial. E, neste último caso, as principais preocupações vão para os os bebés com menos de seis meses.

De acordo com o Instituto Ricardo Jorge (INSA), este último vírus é o que está a provocar o maior número de internamentos hospitalares e acima do que é habitual para esta época do ano.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+