Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Sem-abrigo queimado no Porto. Instituições chocadas com violência consideram caso “alarmante”

22 set, 2022 - 13:54 • Carla Fino , Rosário Silva

Ocorrência aconteceu na zona do Bonfim. O homem de 52 anos, está internado no Hospital de São João com queimaduras de segundo e terceiro grau.

A+ / A-

A Polícia de Segurança Pública (PSP) já está a investigar uma agressão a um homem em situação de sem-abrigo, ocorrida esta quinta-feira, na cidade do Porto, na zona do Bonfim.

O homem de 52 anos, “sofreu queimaduras de segundo e terceiro grau, em 3% do corpo”, de acordo com fonte do Hospital de São João, contactada pela Renascença, e onde está internado na Unidade de Cirurgia Plástica.

Trata-se de um caso inédito que está a chocar toda a comunidade, nomeadamente as instituições que cuidam de pessoas em situação de sem-abrigo.

É o caso do Centro De Apoio Sem-Abrigo do Porto - CASA. Para a coordenadora, esta é uma situação “alarmante”, esperando que não se voltem a repetir casos como este.

“Não é uma situação expetável, mas na verdade, apesar de inédita, acaba por ser alarmante, porque isto já é o escalar máximo da violência. Não lhe sei dizer se já tinha havida alguma outra tentativa ou algum ato menos simpático para com o senhor, pelos vistos ele estava na zona há muito pouco tempo, mas não acredito que seja uma situação que se repita assim com tanta facilidade. Isto é limite”, afirma ao Renascença, Natália Coutinho.

A responsável lembra que as pessoas em situação de sem-abrigo, trazem consigo um historial de vida que obriga as equipas a trabalhar em rede, para que possam ser retiradas das ruas, com alguma dignidade. Um processo que é complexo e nem sempre bem-sucedido.

“Antes de tirar da rua, há muitos apoios que é preciso dar ao utente, desde, por exemplo, ajudar a tirar o cartão de Cidadão, ajudar a receber o Rendimento Social de Inserção ou integrar em comunidades terapêuticas por causa das adições, em muitos casos”, esclarece a coordenadora do CASA.

“Há muito trabalho que é feito para ajudar este público, pois é um público hiper vulnerável e não tem, muitas vezes, a noção clara do que precisa de ser feito”, levando a que “desista facilmente do processo, porque se sente completamente sozinho e sem apoio”, acrescenta.

Natália Coutinho defende que a sociedade civil, a par com as instituições que trabalham nesta área, podem fazer a diferença na ajuda às pessoas sem-abrigo.

“Ajudar, não apenas o CASA, mas outras associações, como voluntário, pois precisamos de braços, para continuarmos a desenvolver os nossos projetos. Fazer voluntariado é uma outra forma de ajudar, assim como reportar situações que surjam e não ignorar estas pessoas”, exemplifica.

A coordenadora do centro que atua na área do Porto, chama ainda a atenção para o facto de que, “estas pessoas, não podem pensar que não há sequer uma luz ao fundo do emaranhado de túneis, onde se encontram tantas vezes”.

A Renascença contactou também a Câmara Municipal do Porto. Num esclarecimento que fez chegar à redação, o município “repudia o incidente, que será agora um caso criminal”, reforçando que todas as pessoas “merecem respeito e dignidade, e independentemente da sua condição social e da situação em que se encontrem”.

Revela ainda que a vítima é de Gondomar e utente do Centro de Terapêutica Combinada do Centro Hospitalar do Porto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    22 set, 2022 Lisboa 13:32
    Choque perante este crime, agravado pelo facto de a vítima ser uma pessoa vulnerável. É muito preocupante a violência desta agressão que significa uma profunda deterioração da nossa vida em sociedade. Que famílias e que escolas temos para formar seres humanos?

Destaques V+