Tempo
|
A+ / A-

Lar de Boliqueime. Governo diz que caso "grave" deve ser investigado "até às últimas consequências"

22 set, 2022 - 18:50 • Rosário Silva

Um vídeo difundido nas redes sociais mostra uma utente do lar da Santa Casa da Misericórdia de Boliqueime, em Loulé, deitada na cama e coberta de formigas.

A+ / A-

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social diz que “é grave” o caso da idosa vítima de maus-tratos na Misericórdia de Boliqueime, defendendo uma investigação “até às últimas consequências”.

“É um caso de uma gravidade que se tem de verificar e fazer todas as averiguações que é preciso”, afirmou, aos jornalistas, Ana Mendes Godinho.

A ministra lembrou que “a Segurança Social tinha tido uma denúncia no início deste mês”, e logo “desencadeou as averiguações, até já com a participação do Ministério Público”.

Ana Mendes Godinho, apelou à denúncia de casos como este e sublinhou a necessidade de se “tirar todas as consequências e apurar todos os factos sobre o que aconteceu”, no caso da utente maltratada, da Santa Casa de Boliqueime, no Algarve.

O vídeo difundido nas redes sociais mostra uma utente do lar da Santa Casa da Misericórdia de Boliqueime, em Loulé, deitada na cama e coberta de formigas.

Segundo o (a) autor(a) do vídeo, ainda desconhecido, a idosa estaria amarrada à cama, com uma ferida aberta, e o seu filho já teria realizado várias queixas à instituição.

Numa primeira reação, a Santa Casa da Misericórdia de Boliqueime através de uma publicação na rede social Facebook, admitiu que o vídeo "documenta uma negligência grave" e informa que instaurou um inquérito para apurar os responsáveis pela situação, que descreve como "inadmissível".

Já esta tarde de quinta-feira, a própria provedora reconheceu que houve “negligência e maus-tratos”.

Em declarações à SIC-Notícias, Sílvia Sebastião afirmou que só teve conhecimento do vídeo esta quarta-feira e que já está a tomar medidas para responsabilizar os funcionários que estavam de serviço e que não acautelaram a situação.

“Nós consideramos que sim, que houve maus-tratos, houve negligência por parte dos funcionários relativamente à idosa”, afirmou, a responsável.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sara
    23 set, 2022 Lisboa 01:21
    Todos os dias acontece na minha rua no meu prédio, pessoas idosas maltratadas, desrespeitadas, crianças neglenciadas e sempre carregadas de dor infligida pelos país, todas as semanas um carro é assaltado, alguém morre esquecido, vizinhos que não se respeitam, depois dizem que não andarmos bem, problemas de sono, a solução é tomar antidepressivos, quem éramos nós se não Houvesse antidepressivos para levar esta vida e não, não vivo num bairro social, nem numa zona problemática, vivo no Portugal de hoje reflexo do esquecimento global.cada vez mais pobres e submissos a esta vida, afinal a riqueza só pertence a um pequeno grupo e assim vai continuar.

Destaques V+