Tempo
|
A+ / A-

Rede Europeia Anti-Pobreza

"Falta ousadia" no Governo para enfrentar aumento de pessoas em situação de sem-abrigo

22 set, 2022 - 20:00 • Pedro Mesquita com Redação

O padre Jardim Moreira lamenta que as entidades públicas "ainda não tenham assimilado o problema", porque para elas é "um assunto marginal".

A+ / A-

O presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza (EAPN), em Portugal, considera que "falta ousadia" ao Governo para enfrentar o aumento de pessoas em situação de sem-abrigo que se tem registado.

Entre dezembro de 2020 e dezembro de 2021, o número de pessoas em situação de sem-abrigo aumentou, havendo mais 140 pessoas. São contas do Núcleo de Planeamento e Intervenção dos Sem-Abrigo, no Porto.

À Renascença, o padre Agostinho Jardim Moreira diz que a estratégia de combate a estes números falha à escala dos municípios e também do poder central.

"Tem tido a vontade de dar uma resposta política, que não fique mal na fotografia, mas os resultados não têm sido tão visíveis quanto isso. Era preciso uma estratégia e uma política para erradicar a pobreza", apela.

E entre os sinais de uma falta de vontade política, o padre Jardim Moreira dá um exemplo: Continua por nomear a comissão de acompanhamento da Estratégia de combate à Pobreza, há muito aprovada.

"Não há vontade política de enfrentar como deve ser enfrentado o problema. Tem havido respostas pontuais, mas não são assumidas por quem deve de o fazer", critica.

O padre Jardim Moreira lamenta que as entidades públicas "ainda não tenham assimilado o problema", porque para elas é "um assunto marginal".

O presidente da EAPN rejeita que a ação social "seja para os padres".

"É preciso que se deixe de pensar isso. A resposta social cabe, em primeiro, ao poder público", conclui.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+