Tempo
|
A+ / A-

Mochilas cheias? Calculadora diz se o seu filho leva peso a mais

21 set, 2022 - 09:50 • Cristina Nascimento

Excesso de carga nas mochilas escolares associado a más posturas e a hábitos de vida pouco saudáveis "estão na base dos problemas de costas mais frequentes na população infantil”, dizem os especialistas que promovem a campanha "Olhe Pelas Suas Costas".

A+ / A-

Em tempo de arranque de novo ano letivo, renova-se a preocupação em torno do peso das mochilas escolares.

A campanha “Olhe Pelas Suas Costas” foi lançada há 10 anos para alertar para as questões de saúde da coluna vertebral e no site da campanha tem, entre outras informações, uma calculadora para saber se a mochila que os mais novos carregam têm peso a mais, sendo que a recomendação é que a mochila não deve exceder 10% do peso das crianças.

A calculadora permite perceber, em caso de excesso de peso, a gravidade de ultrapassar esses limites.

Os responsáveis por esta campanha recordam que “o peso excessivo das mochilas associado a más posturas e a hábitos de vida pouco saudáveis, estão na base dos problemas de costas mais frequentes na população infantil”.

“Com o regresso às aulas, é imperativo garantir que as crianças começam já a adotar hábitos saudáveis e benéficos para a saúde das suas costas, evitando problemas futuros”, explica Bruno Santiago, neurocirurgião e coordenador nacional da Campanha “Olhe pelas Suas Costas”.

O especialista recorda ainda que o peso deve ser distribuído de forma uniforme e que as mochila com rodas, os trolleys, "podem ser úteis e ajudar a aliviar o peso nas costas, mas é preciso ter atenção à altura da pega. A criança não deve ficar curvada enquanto puxa a mochila”, alerta.

Também a Proteção Civil e o Serviço Nacional de Saúde aproveitam o início de um novo escolar para apelar a que as crianças em idade escolar andem menos carregadas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+