Tempo
|
A+ / A-

Trabalhadores da Transtejo querem sensibilizar utentes para a sua luta

30 ago, 2022 - 19:53 • Ana Carrilho

Plenário de rua deverá ter lugar em meados de setembro e não põe de parte a realização de novas greves.

A+ / A-

Os trabalhadores da Transtejo consideram que é muito importante que a população conheça os motivos que os têm levado a realizar várias greves nos últimos meses.

Segundo fonte sindical contactada pela Renascença, esta foi a conclusão do plenário realizado esta terça-feira à tarde em Cacilhas.

Os sindicatos foram mandatados para organizar a realização de um plenário de rua, em frente à sede da Transtejo, no Cais do Sodré, por onde passam muitos utentes das ligações fluviais no Tejo.

Essa iniciativa deverá ter lugar em meados de setembro e não põe de parte a realização de novas greves. É uma forma de tentar que os utentes, que tanto têm sido penalizados pelas greves, não se manifestem contra os trabalhadores. E se possível, tentar ganhar o seu apoio, nomeadamente, na defesa da melhoria das condições de funcionamento do transporte fluvial assegurado pela Transtejo/Soflusa, referiu a mesma fonte.

Desde junho que os trabalhadores da Transtejo estão em greve ao trabalho suplementar. Além disso, fizeram greves parciais de uma semana em junho e julho e duas semanas, neste mês de agosto.

As lutas laborais provocaram grandes constrangimentos na deslocação dos passageiros entre Lisboa e a Margem Sul, que só não tiveram maior impacto porque é um período de férias.

No entanto, desde o início do ano que as ligações da Transtejo (entre o Cais do Sodré e Cacilhas, Seixal e Montijo e Belém-Trafaria) e da Soflusa, entre o Barreiro e o Terreiro do Paço têm tido condicionamentos.

Devido à falta de pessoal para completar as tripulações, a empresa tem cortado diversas ligações durante os dias úteis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+