Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Demissão traz “incógnita” sobre o futuro, diz Gustavo Tato Borges

30 ago, 2022 - 11:59 • Redação com Lusa

ministra da Saúde apresentou demissão esta madrugada por entender que "deixou de ter condições" para exercer o cargo. Demissão já foi aceite pelo Primeiro-ministro e Presidente da República.

A+ / A-

A “incógnita sobre o futuro” é o que preocupa a Associação de Médicos de Saúde Pública. À Renascença, Gustavo Tato Borges lembra que o SNS enfrenta diversos problemas que agudizam o seu funcionamento e, por isso, são precisas respostas céleres.

“Neste momento, tudo aquilo que estávamos que poderia acontecer de mudança no SNS fica suspenso. Precisamos de aguardar para perceber que rumo a próxima pessoa, que vai tomar conta do Ministério da Saúde vai assumir.”

Gustavo Tato Borges defendeu que Marta Temido "enfrentava, se calhar, o segundo maior desafio da sua carreira como ministra da Saúde", após a pandemia de covid-19. Em causa estão os constrangimentos que afetam diversas áreas do Serviço Nacional de Saúde (SNS), elencando problemas de curto prazo, como "a questão das urgências", e de longo prazo, como o novo estatuto ou a direção executiva do SNS.

"É muito difícil fazer uma avaliação cabal que diga que a ministra esteve bem ou esteve mal, isso dependerá também muito das perspetivas políticas de cada um e da própria área de interesse. O que posso dizer é que na área da saúde pública praticamente nada mudou que viesse mudar o futuro daquilo que são os serviços e os profissionais de saúde pública", assumiu.

Na sua opinião, faltou uma reforma estrutural na área da saúde pública por parte do Ministério da Saúde liderado durante quase quatro anos por Marta Temido. Entre as medidas reivindicadas estão questões de "contratualização, autonomia técnica e financeira das instituições e maior capacidade de resposta e independência de cargos de chefia", além de uma excessiva burocracia que limita a atividade destes profissionais.

À Renascença, fonte próxima do Primeiro-ministro revelou que a substituição da ministra da Saúde “não será rápida", adiantando que Marta Temido deverá manter-se no cargo, pelo menos, ainda “durante a primeira semana de setembro”.

A ministra da Saúde apresentou demissão esta madrugada por entender que "deixou de ter condições" para exercer o cargo, demissão que foi aceite pelo Primeiro-ministro.

Marta Temido iniciou funções como ministra da Saúde em outubro de 2018, sucedendo a Adalberto Campos Fernandes.

Durante os seus mandatos, esteve no centro da gestão da pandemia, que começou em 2020, mas também atravessou várias polémicas. Recentemente, o encerramento dos serviços de urgência de obstetrícia em vários hospitais por falta de médicos para preencher as escalas pressionou a tutela.

A saída da ministra da Saúde acontece após a morte de uma mulher após uma cesariana de urgência no Hospital São Francisco Xavier. A grávida de 31 semanas tinha sido transferida de Santa Maria por falta de incubadoras no serviço de Neonatologia e sofreu uma paragem cardiorrespiratória durante o transporte.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Martins
    30 ago, 2022 Évora 17:55
    Eu gostava que o estado tivesse um único sistema de saúde para todos. Mas não têm. Há os privilegiados e os desamparados. Os trabalhadores do Estado, e nada tenho contra eles, podem ir ao privado pagando 5 Euros por uma consulta da especialidade e podem ir ao SNS, podem usufruir dos hospitais privados e públicos não pagando mais por isso. Os utentes privados se quiserem ir aos hospitais privados, pagam por uma consulta o valor de 80 €, ou para além dos descontos que fazem para a segurança social, têm que pagar mais um seguro de saúde. Tendo em conta que o seguro exclui doenças congénitas e tem limite de idade. Confesso, que tenho vergonha desta desigualdade, é uma humilhação. Temos os utentes VIPS e temos os pobres. Esta senhora se fosse funcionária pública podia ter recorrido a qualquer hospital privado, mas não creio que fosse, também não devia ter seguro de saúde, nem recursos financeiros para suportar os custos de um hospital privado. O Acesso estava vedado. Custou-lhe a vida, bem como à sua bebé. É simplesmente vergonhoso! Já propus ao Sr. Primeiro Ministro, que tendo a maioria absoluta, pode muito bem criar um sistema de saúde igual para todos, porque todos pagamos os nossos descontos e não é justo esta desigualdade. Mas até hoje não obtive retorno da exposição.

Destaques V+