Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Trasfegas de crude vigiadas. Marinha portuguesa detetou duas suspeitas desde o início da guerra

22 ago, 2022 - 14:30 • Lusa

Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, Marinha portuguesa reforçou vigilância na Zona Económica Exclusiva nacional. Uma suspeita na ZEE da Madeira e outra ao largo de Portimão levaram à intervenção da Marinha.

A+ / A-

A Marinha reforçou a vigilância a tentativas de trasfega de crude na Zona Económica Exclusiva (ZEE) portuguesa desde o início da guerra na Ucrânia e até esta segunda-feira detetou duas situações suspeitas que suscitaram preocupação.

Contactado pela Lusa a propósito de uma suspeita de trasfega de crude a mais de 155 quilómetros de Portimão (Faro) por parte de um petroleiro com pavilhão da Síria, o porta-voz da Marinha, José Sousa Luís, assegurou que “desde o início do conflito na Ucrânia foi aumentada a recolha e tratamento de informação e também foram disponibilizados mais meios, quando necessário”.

Desde 24 de fevereiro, dia em que a Rússia invadiu o território ucraniano, a Marinha aumentou a vigilância da atividade conhecida como “bunkering” – proibida ao abrigo da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar por causa da possibilidade de provocar um desastre ambiental – e “até há 15 dias não tinha tido nenhum movimento suspeito”.

No entanto, uma suspeita na ZEE da Madeira e outra ao largo de Portimão levaram à intervenção da Marinha.

De acordo com um comunicado divulgado no domingo, um navio petroleiro que estava a cerca de 85 milhas náuticas de Portimão alegou uma “avaria nas máquinas principais”, que necessitava “de algumas horas” para as reparar e que estava a “aguardar instruções da companhia sobre o porto de destino”.

A Marinha suspeitava de que o petroleiro estava a iniciar os “preparativos para a prática de abastecimento e trasfega de crude”, mas algumas horas depois “iniciou a navegação” para fora da Zona Económica Exclusiva portuguesa.

O porta-voz da Marinha acrescentou que a recolha e tratamento de informações é feita com recurso a “sistemas de controlo remoto, quer civis, quer militares” e que no âmbito desta vigilância, que já era “permanente” antes da eclosão da guerra na Ucrânia, já foi necessária recorrer a “um submarino na ZEE dos Açores”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+