Tempo
|
A+ / A-

Rui Moreira quer que coração de D. Pedro seja exposto no Porto de cinco em cinco anos

21 ago, 2022 - 18:48 • Lusa

Aos jornalistas, o autarca independente lembrou que o coração "precisa de sair da urna", nomeadamente, para que sejam substituídos os líquidos que permitem a sua conservação.

A+ / A-

O presidente da Câmara Municipal do Porto, o independente Rui Moreira, quer que o coração do rei D. Pedro IV, guardado a cinco chaves na Igreja da Lapa, seja exposto, "pelo menos, de cinco em cinco anos" na cidade.

"A minha ideia é que se crie um pressuposto e princípio, naturalmente eu cá já não estarei, que, pelo menos uma vez, de cinco em cinco anos, haja uma exposição do coração", disse Rui Moreira, à margem da assinatura, entre o município do Porto e a Embaixada da República Federal do Brasil em Lisboa, do protocolo que define as condições da transladação do coração do monarca. .

Aos jornalistas, o autarca independente lembrou que o coração "precisa de sair da urna", nomeadamente, para que sejam substituídos os líquidos que permitem a sua conservação.

Lembrando que este é um "bem cultural insubstituível", Rui Moreira defendeu que a exposição do coração à cidade permitirá, em particular, às novas gerações perceberem o seu "significado". .

"O coração tem um significado simbólico que vai além da relíquia", observou.

Antes de viajar temporariamente para o Brasil, o coração do "Rei Soldado", que chegou ao Porto em fevereiro de 1835 e que raras vezes saiu do mausoléu da capela-mor da igreja da Lapa, esteve durante este fim de semana em exposição aberta ao público.

Para o retirar do pequeno caixão de mogno guardado no mausoléu são precisas cinco chaves, mil cuidados e uma complexa operação.

Conservado em formol dentro de um recipiente de vidro e, este, dentro de um escrínio de prata dourada, o coração D. Pedro I do Brasil e D. Pedro IV de Portugal encantou, nos dois dias, 6.294 miúdos e graúdos, portuenses e estrangeiros (3.426 visitantes no sábado e 2.868 visitantes hoje). .

O coração do monarca, cujo corpo se encontra na cidade brasileira de São Paulo, atravessa esta noite o oceano Atlântico, em ambiente pressurizado, para marcar presença nas comemorações do bicentenário da independência do Brasil, antiga colónia portuguesa que o rei conduziu à independência.

A transladação, prevista para as 00:20 de segunda-feira, será acompanhada pelo presidente da Câmara do Porto, que levará pessoalmente o coração ao Brasil com o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB).

O coração de D. Pedro chega na segunda-feira pelas 09:30 (13:30 de Lisboa) à base aérea de Brasília, onde será recebido com honras militares. Da base aérea, a relíquia segue para o Palácio de Itamaraty - sede do Ministério das Relações Exteriores - na capital brasileira, de onde só sairá na terça-feira, pelas 16:00 locais, para marcar presença numa cerimónia no Palácio do Planalto - sede da Presidência - às 17:00. .

Depois da cerimónia, onde estará presente o Presidente da República brasileiro, Jair Bolsonaro, o coração segue novamente para o Palácio de Itamaraty, onde será apresentado ao corpo diplomático e onde ficará em exibição "controlada" até às comemorações do bicentenário da independência, no dia 07 de setembro. .

As diferentes cerimónias serão acompanhadas pelo presidente da Câmara do Porto que, na quinta-feira de manhã, preside no Instituto Rio Branco a uma palestra, intitulada "Dois povos unidos por um coração - o significado político e simbólico de D. Pedro para Portugal e o Brasil". .

Apesar de o autarca regressar a Portugal, o coração do monarca continuará a ser acompanhado pelo comandante da Polícia Municipal do Porto, António Leitão da Silva. .

O coração de D. Pedro regressa à cidade do Porto no dia 09 de setembro, ficando novamente em exposição nos dias 10 e 11 de setembro, antes de voltar a ser guardado a cinco chaves. .

 .

SPYC // JH.

Lusa/Fim.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+