Tempo
|
A+ / A-

Ministério da Saúde anuncia estudo aprofundado sobre excesso de mortalidade

12 ago, 2022 - 22:16 • Redação

O estudo vai abranger os últimos dois anos, os primeiros com a pandemia de covid-19.

A+ / A-

O Ministério da Saúde confirmou ao jornal "Público" que avançou com um "estudo aprofundado" sobre o que considera serem "excessos de mortalidade mais recentes".

O estudo vai abranger os últimos dois anos, os primeiros com a pandemia de Covid-19.

"Considerando os períodos de que se têm vindo a registar desde 2020, e tendo-se identificado a necessidade de estudar, com maior detalhe e profundidade, as causas destas mortes em excesso, o Ministério da Saúde está a trabalhar na preparação de um estudo aprofundado sobre os factores determinantes da mortalidade e dos excessos de mortalidade mais recentes”, anuncia o ministério em questão.

De acordo com a nota enviada ao jornal, o padrão da mortalidade "sofreu uma alteração após o início da pandemia, com o aumento da mortalidade anual, que poderá resultar de relações sinérgicas entre vários factores”.

O número de óbitos registados em julho em Portugal, que totalizou 10.657, aumentou 21% face ao mesmo mês de 2021 e 4,5% relativamente a junho deste ano, segundo dados preliminares divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em julho de 2022, foram registados 10.657 óbitos, mais 459 face ao observado no mês anterior (+4,5%) e mais 1.850 do que em julho de 2021 (+21,%). Relativamente ao número de óbitos devido à covid-19, os dados revelam que diminuiu para 453 em julho, menos 525 relativamente a junho de 2022, representando 4,3% do total de óbitos.

Antes do início da pandemia, os excessos de mortalidade eram normalmente associados a "fenómenos climatéricos extremos, como o calor ou o frio extremo, e a epidemias de gripe”.

“Estes excessos de mortalidade eram, geralmente, mais elevados em Portugal do que na média europeia, afectando, predominantemente, os grupos etários mais velhos", termina

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    13 ago, 2022 Leiria 06:34
    Estudo ? São comissões, são estudos...enfim. Tudo se resume, em meu modesto entendimento a duas coisas: INCOMPETÊNCIA E "PANCADA IDEOLÓGICA".

Destaques V+