Tempo
|
A+ / A-

Povoações de seis concelhos do Alentejo abastecidas por autotanques

02 ago, 2022 - 14:34 • Lusa

Mértola é o que se encontra nesta situação há mais tempo, tendo o abastecimento com autotanques tido início ainda no inverno, em fevereiro.

A+ / A-

O abastecimento público de água em localidades de seis concelhos servidos pelo sistema da Águas Públicas do Alentejo (AgdA) está a ser assegurado através de autotanques, devido à seca, revelou hoje a empresa.

Numa resposta a questões colocadas pela agência Lusa através de correio eletrónico, a AgdA indicou que o abastecimento com recurso a autotanques, que levam a água para o depósito, está a verificar-se em povoações de Aljustrel, Mértola e Moura (no distrito de Beja), Alcácer do Sal e Santiago do Cacém (Setúbal) e Montemor-o-Novo (Évora).

Segundo a empresa, destes seis concelhos, o de Mértola é o que se encontra nesta situação há mais tempo, tendo o abastecimento com autotanques tido início ainda no inverno, em fevereiro.

Segue-se o concelho de Santiago do Cacém, cujo fornecimento de água com autotanques começou em maio, enquanto em povoações de Montemor-o-Novo começou em junho e de Moura, Alcácer do Sal e Aljustrel arrancou em julho, adiantou.

A AgdA referiu que "algumas situações" justificam-se devido à "perda de produtividade da origem subterrânea ou à diminuição do volume de água captado", notando que, nos casos reportados a julho, verificaram-se "aumentos de consumo" de água.

"As situações verificadas resultam da conjugação de fatores como a perda de produtividade de captações subterrâneas e o aumento dos consumos de água, habituais para esta época do ano", sublinhou.

Com uma "comunicação diária da evolução consumos de água aos respetivos municípios" e recomendações para a restrição de usos não potáveis, a empresa salientou que está também a preparar "origens alternativas".

"Nas situações em que tal é possível, está a ser preparada a operacionalização de origens alternativas, nomeadamente novas captações ou reativação de furos municipais", assinalou a Águas Públicas do Alentejo, sediada em Beja.

Até agora, acrescentou, "o reforço com transportes de água através de autotanques e a reativação de origens alternativas tem permitido garantir o abastecimento às populações, tendo em conta a dimensão dos aglomerados".

A AgdA foi constituída em 25 de setembro de 2009, tendo por acionistas o grupo Águas de Portugal e a Associação de Municípios para a Gestão da Água Pública do Alentejo, constituída por 20 câmaras municipais dos distritos de Beja, Évora e Setúbal.

A empresa gere o Sistema Público de Parceria Integrado de Águas do Alentejo, criado em 2009, numa parceria entre o Estado e as autarquias.

Mais de um quarto do território do continente estava no final de junho em seca extrema (28,4%), verificando-se um aumento em particular na região Sul e em alguns locais do interior das regiões Norte e Centro, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O restante território estava em seca severa (67,9%) e seca moderada (3,7%).

No último dia do mês de maio, 97,1% do território estava em seca severa, 1,5% em seca moderada e 1,4% em seca extrema.

No final de junho, os valores de percentagem de água no solo continuavam muito baixos em todo o território e em especial no interior do Norte e Centro, no Vale do Tejo, no Alentejo e no Algarve.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    02 ago, 2022 PORTUGAL 14:50
    Já DENUNCIEI aqui RR o caso da barragem BALSEMÃO entre Lamego e Peso da Régua. O rio Douro está CHEIO e a barragem está práticamente vazia. O rio está CHEIO para os BARCOS " DOURO AZUL " poderem andar rio acima. Não adianta fazer mais FUROS, pois isso é de " MALUCOS " e não de Pessoas inteligentes. Vejam então o que seria ou será mais lógico. Ainda ontem vi e ouvi José Rentes de Carvalho dizer que anos atrás, a viagem entre a cidade do Porto e Carviçais na Torre de Moncorvo demorava DOZE HORAS. Hoje a viagem entre essas DUAS localidades demora DUAS horas e pouco. Isto é, façam o TRANSVASE entre RIOS e BARRAGENS e verão que o VERÃO não nos incomodará com a seca. Mais uma vez deixo aqui um DESAFIO sem custos seja para quem for. Venham COMIGO, em viatura minha, que EU montro-lhes como é fácil GERIR um País. Não, não sou nem quero ser POLÍTICO. Gosto isso sim de fazer política POSITIVA e não Partidária. Como disse nouto espaço RR no passado fim de semana percorri parte deste País e pelo que vi, não me custa dizer que É criminoso aquilo que vi nas BERMAS da Auto Estrada 1. Se o que vi não foi ENCOMENDADO, anda lá perto. Podem os Senhores GOVERNANTES estarem descansados, pois durante mais uns aninhos em Estarreza e arredores não há mais incêndios. E porque falo disto? Para que estes incêndios sejam combatidos, não é com ÁGUA SALGADA que são combatidos, mas sim com água " DOCE ". Assim sendo, a água " POTÁVEL " tem que NOS falhar, não é verdade? Abram os olhos e pensem antes de ..

Destaques V+