Tempo
|
A+ / A-

Época de exames em agosto sem aviso é desrespeito, diz FENPROF

30 jul, 2022 - 09:15 • Lusa

Esta época destina-se a alunos que tiveram Covid-19 ou que estiveram em confinamento por motivo da doença, ou os que apresentaram atestado médico para justificar a falta em época anterior.

A+ / A-

A Federação Nacional dos Professores () acusa o Júri Nacional de Exames (JNE) e o Ministério da Educação de desrespeito pelas escolas, professores e alunos, por marcarem sem avisar época de exames em agosto.

A marcação de uma época de exames de 10 a 19 de agosto, sem se prever e só anunciada há dois dias, leva a que escolas sejam obrigadas a interromper férias dos professores, afirma a estrutura sindical.

Num comunicado a FENPROF explica que a decisão do JNE foi aprovada na terça-feira e a informação chegou às escolas na quarta-feira, sem que as escolas tivessem sido antes informadas dessa possibilidade.

A época de exames destina-se a alunos que tiveram Covid-19 ou que estiveram em confinamento por motivo da doença, ou os que apresentaram atestado médico para justificar a falta em época anterior. A decisão implica que os alunos façam os exames onde se inscreveram, ao contrário de outros anos quando os alunos se concentraram só em algumas escolas.

A FENPROF diz que não é novidade uma época especial em agosto, com os alunos concentrados em algumas escolas.

Mas diz também que a forma como o JNE e o Ministério agiram agora "revela mais um profundo desrespeito pelas escolas e a sua organização, pelos docentes", mas também "por alunos e suas famílias que, em muitos casos, terão de interromper férias para a realização dos exames".

No comunicado, em relação aos docentes, a FENPROF refere a lei para dizer que se forem interrompidas férias já iniciadas por exigências imperiosas do funcionamento do serviço, "têm direito a indemnização pelos prejuízos sofridos, designadamente de despesas já efetuadas".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+