Tempo
|
A+ / A-

Abusos sexuais na Igreja. Ministério Público confirma arquivamento de quatro das 17 queixas

28 jul, 2022 - 07:27 • Ana Catarina André , Olímpia Mairos

Dos 10 inquéritos instaurados, um deles concentra seis das participações e outros dois, duas cada um.

A+ / A-

O Ministério Público confirma que arquivou até ao momento quatro das dezassete denúncias anónimas que recebeu da Comissão Independente para o Estudo de Abusos Sexuais contra Crianças na Igreja Católica em Portugal.

Em informação à Renascença, a Procuradoria-Geral da República explica que das participações recebidas, foram instaurados ao todo 10 inquéritos.

“Todas as participações recebidas na Procuradoria-Geral da República foram remetidas às competentes estruturas do Ministério Público, onde foram instaurados os competentes inquéritos. Ao todo, foram instaurados 10 inquéritos, sendo que um deles concentra seis das participações e outros dois, duas cada um”, lê-se na resposta à Renascença.

Dos 10 inquéritos, sete estão em investigação e três (relativas a quatro situações denunciadas) conheceram despacho final de arquivamento: um por prescrição, outro porque os factos já tinham dado origem a julgamento e condenação e um terceiro por falta de provas.

Esta tarde o presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, recebe, em audiência, o coordenador, Pedro Strecht, e os membros da Comissão Independente para o Estudo de Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica Portuguesa, Ana Nunes de Almeida, Álvaro Laborinho Lúcio e Filipa Tavares.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+