Tempo
|
A+ / A-

Lisboa e Governo trabalham no reforço da segurança e em esquadras móveis

26 jul, 2022 - 14:56 • Redação

A garantia foi dada esta terça-feira à Renascença por fonte oficial do Ministério da Administração Interna.

A+ / A-

O Ministério da Administração Interna promete trabalhar com a Câmara de Lisboa no reforço da segurança na cidade.

A garantia foi dada esta terça-feira à Renascença por fonte oficial do Ministério da Administração Interna.

Segundo a mesma fonte, foi aceite a proposta do autarca de Lisboa, Carlos Moedas, que oferece meios para esquadras móveis.

Quantas esquadras móveis serão e quantos efetivos, são números que não estão fechados e não foram revelados.

Em declarações aos jornalistas, na segunda-feira, o presidente da Câmara de Lisboa mostrou-se preocupado com a segurança nas ruas da capital e pediu ajuda ao Governo.

O pedido de Carlos Moedas aconteceu depois de uma reunião de emergência do Conselho Municipal de Segurança, na qual esteve a PSP de Lisboa e a Polícia Municipal, na sequência da morte de um homem no Parque das Nações.

“O presidente da câmara está aqui, por um lado, a pedir ajuda, e está a dar tudo aquilo que pode”, garantiu Carlos Moedas aos jornalistas, no final do encontro.

“O que vejo com bons olhos, é que temos que ter mais polícia na rua e se há outras entidades que o possam fazer, eu estarei sempre de acordo, mas temos é que ter mais polícia na rua, em lisboa”, insistiu.

A capital está, de acordo com dados avançados, a registar cerca de “500 ocorrências por dia”, o que justifica este alerta do autarca que defende o recurso a outras forças policiais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+