Tempo
|
A+ / A-

Fogo em Alijó. Autoestrada 4 aberta nos dois sentidos

23 jul, 2022 - 17:31 • Anabela Góis , João Carlos Malta

Segundo a Proteção Civil para já não há aldeias ou casas em risco.

A+ / A-

Um incêndio de proporções consideráveis em Vila Verde, Alijó, está a criar preocupação entre os operacionais e tem mais de 100 homens a atacar as chamas no terreno. As chamas cortaram a circulação na A4 por duas vezes, durante o dia de sábado, no entanto, a situação veio a ficar normalizada ao início da madrugada deste domingo. Fonte da GNR de Vila Real adiantou à Renascença que o "trânsito foi restabelecido em ambos os sentidos na A4, entre os nós do Pópulo e de Justes, e também na Estrada Nacional 15 que esteve encerrada entre Justes e Vila Verde", no concelho de Alijó.

Ao início da tarde em declarações à Renascença, Paulo Santos, comandante da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) afirmava tratar-se de "um incêndio com alguma intensidade".

As chamas lavram em duas frentes, mas não há ainda notícia de que haja aldeias em risco, na área em que o incêndio se desenvolve, segundo a Proteção Civil.

Neste momento, este é o único incêndio que causa "mais preocupação e envolve um número maior de meios".

No terreno estão 138 operacionais, apoiados por 42 viaturas.

O Governo avalia, este domingo, a situação no país em termos de riscos de incêndios para decidir se coloca o continente em situação de alerta.

De segunda a quinta-feira o continente esteve em situação de alerta, nível de resposta mais baixo previsto na Lei de Bases da Proteção Civil, devido aos incêndios florestais.

Até segunda-feira da semana passada, e durante uma semana, Portugal tinha estado em situação de contingência, o segundo nível de resposta previsto na lei, devido ao risco extremo de incêndios.

[notícia editada às 01h45]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+