Tempo
|
A+ / A-

"Completamente contra". Governo rejeita plano de Bruxelas para poupar gás

21 jul, 2022 - 14:11 • Diogo Camilo

Secretário de Estado do Ambiente e da Energia considera que medida para reduzir em 15% o consumo de gás, a partir de agosto e até março de 2023, é "insustentável" porque obrigaria Portugal a ficar “sem eletricidade”.

A+ / A-

O secretário de Estado do Ambiente e da Energia, João Galamba, diz-se “completamente contra” a meta definida pela União Europeia de 15% de redução do consumo de gás até à primavera.

Em reação ao Expresso, esta quarta-feira, o representante do Governo disse que a medida “não tem em atenção as diferenças entre países” e refere que o corte de 15% no consumo de gás entre agosto de 2022 e março de 2023, proposto por Bruxelas, seria “insustentável” porque obrigaria Portugal a ficar “sem eletricidade”.

A posição portuguesa surge depois de também a Espanha ter rejeitado a proposta da Comissão Europeia, considerando que a ideia “não é necessariamente a mais eficaz, nem a mais eficiente, nem a mais justa”.

“Defendemos os valores europeus, mas não podemos assumir um sacrifício sobre o qual nem sequer nos pediram parecer prévio”, disse a terceira vice-presidente e ministra para a Transição Ecológica de Espanha, Teresa Ribera, em conferência de imprensa.

Para a proposta ser aprovada, necessita de uma maioria qualificada no Conselho da União Europeia, numa altura em que Bruxelas prepara-se para declarar uma situação de emergência perante um eventual corte do fornecimento de gás russo, em que o racionamento e a redução do fluxo a serem medidas de último recurso.

A Renascença pediu mais esclarecimentos ao gabinete do secretário de Estado, mas até ao momento ainda não obteve resposta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+