Tempo
|
A+ / A-

Presidente executivo da ANA reconhece problemas "graves" nos aeroportos

06 jul, 2022 - 11:19 • Lusa

"Passámos de uma situação onde todos os aviões estavam no chão, em 2020, para uma situação de retoma do tráfego muito dinâmica", apontou.

A+ / A-

O presidente executivo da ANA reconhece a existência de problemas "graves" nos aeroportos e sublinhou que a gestora das infraestruturas está a trabalhar com os parceiros para melhorar o serviço, o que está já a produzir resultados "muito tangíveis".

"É verdade, durante as últimas semanas tivemos problemas, alguns deles graves, com alguns subsistemas, um deles o controlo de fronteiras, que não é diretamente controlado pela ANA, mas trabalhamos com os nossos parceiros de forma ativa para propor ideias e tentar melhorar o serviço", reconheceu Thierry Ligonnière, que está a ser ouvido na Assembleia da República, por requerimento do PSD, para esclarecimentos sobre os problemas nos aeroportos de Lisboa e do Porto.

O responsável acrescentou que o trabalho que está a ser feito com o Ministério da Administração Interna e com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) está a produzir "resultados muito tangíveis durante as últimas semanas", com uma "melhoria notável no tempo de espera no controlo de fronteiras desde 18 de junho".

Lembrou que a época do verão é, "por natureza, mais desafiante" para a gestão aeroportuária.

"Passámos de uma situação onde todos os aviões estavam no chão, em 2020, para uma situação de retoma do tráfego muito dinâmica", apontou.

A audição acontece numa altura em que estão a ser cancelados vários voos, diariamente, nos aeroportos europeus, devido à falta de pessoal, greves e outros fatores externos agravantes, nomeadamente climáticos, relacionados com a Covid-19 ou com imprevistos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+