Tempo
|
A+ / A-

Conferência dos Oceanos

Marcelo destaca promessa sobre áreas marinhas e espera mudança global

27 jun, 2022 - 15:22 • Lusa

No primeiro dia da Conferência dos Oceanos, o Presidente da República destacou a cooperação com o Quénia na preparação do encontro mundial.

A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, saudou hoje as "promessas concretas e vinculativas" assumidas na Conferência dos Oceanos e destacou o compromisso do primeiro-ministro, António Costa, de ter 30% das áreas marinhas nacionais classificadas até 2030.

Em conferência de imprensa, na Altice Arena, em Lisboa, onde hoje começou a 2.ª Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Marcelo Rebelo de Sousa manifestou a esperança de que este encontro seja "um ponto de partida para uma grande mudança" na ação global em relação a esta matéria.

O chefe de Estado referiu que ao longo da manhã de hoje, na sessão de abertura da conferência, houve "promessas concretas e vinculativas vindas de cada continente" e que no caso de Portugal "o primeiro-ministro falou de antecipar a promessa de ter também 30% de áreas marítimas protegidas".

Marcelo Rebelo de Sousa tinha ao seu lado o secretário-geral da ONU, António Guterres, e Uhuru Kenyatta, Presidente do Quénia, país com o qual Portugal partilha a organização desta conferência.

"Gostaria muito de falar da nossa cooperação com o Quénia na preparação desta conferência. Dois países, um do norte, outro do sul, mostrando como a cooperação é importante hoje, num momento de discórdia, nalguns casos de guerra, fazemos o oposto, construímos consensos, construímos multilateralismo", disse, falando em inglês.

"Temos uma abordagem de diálogo, mas diálogo aberto e diversificado, com diferentes gerações -- não apenas Estados, poderes políticos, mas sociedades, empresas, ciência, tecnologia", prosseguiu.

Segundo o Presidente da República, "isto é tão promissor, tão promissor, num tempo de alarme relativamente aos oceanos e à ação climática, que Lisboa pode ser um ponto de partida para uma grande mudança na ação baseada na ciência".

Antes, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a elogiar António Guterres, a quem agradeceu "por voltar a casa e recordar a sua ação como primeiro-ministro aqui" e pelo seu "compromisso constante num assunto que é tão importante para todos nós".

"Tão corajoso, um lutador, um lutador permanente pelos oceanos, pela ação climática. E esta conferência é um exemplo do seu empenho", considerou.

No discurso que proferiu hoje nesta conferência, o primeiro-ministro, António Costa, comprometeu-se a "100% do espaço marítimo sob soberania ou jurisdição portuguesa seja avaliado em bom estado ambiental" e "até 2030 classificar 30% das áreas marinhas nacionais".

Ainda este ano, segundo António Costa, foi dado um passo nesse sentido ao ser aumentada "em 27 vezes o tamanho da Reserva Natural das Ilhas Selvagens, tornando-a na maior área marinha protegida do Atlântico Norte".

"Por outro lado, na segurança alimentar, queremos transformar a pesca nacional num dos setores mais sustentáveis e de baixo impacto a nível mundial, mantendo 100% dos "stocks" dentro dos limites biológicos sustentáveis", declarou a seguir o primeiro-ministro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+