Tempo
|
A+ / A-

Zero alerta que indústria de "pellets" põe em causa floresta portuguesa

18 jun, 2022 - 10:58 • Lusa

Associação exige moratória imediata ao aumento da capacidade instalada de produção de"pellets", cujos apoios públicos ultrapassam já os 100 milhões de euros.

A+ / A-

A indústria de "pellets", pequenos aglomerados de madeira para aquecimento e produção de energia, consumiu mais de 1,5 milhões de toneladas de madeira em 2021 e põe em causa a floresta portuguesa, alerta a associação ambientalista Zero.

Numa indústria com apoios públicos que ultrapassam já "os 100 milhões de euros", e que deve expandir-se, a associação, num comunicado divulgado este sábado, exige uma moratória imediata ao aumento da capacidade instalada de produção de "pellets".

É provável que este ano, diz a Zero, "se assista a um aumento significativo na produção, uma vez que quatro fábricas entram em funcionamento ou reabrem, com uma capacidade combinada de quase 600.000 toneladas/ano, representando um aumento de 50% da capacidade" nacional de produção de "pellets".

Tal, alerta, "colocará ainda maior pressão sobre os recursos florestais já de si depauperados e insuficientes para satisfazer a procura para as diferentes utilizações".

Naquele que é o primeiro Barómetro Anual sobre Indústria dos "Pellets" em Portugal, da associação, os dados são considerados preocupantes e "colocam em causa a sustentabilidade na utilização de madeira na indústria para a produção de produtos de maior valor acrescentado".

E a situação em vez de melhorar tende a agravar-se, no entender da Zero, porque o boicote ao gás natural e petróleo da Rússia levará à procura de outras formas de energia e consequentemente mais incentivos ao uso da biomassa.

Nas contas da Zero, em 2021, em Portugal, foram produzidas cerca de 815.000 toneladas de "pellets" de madeira, para as quais foram necessárias as mais de 1,5 milhões de toneladas de madeira. .

"Cerca de 510.000 toneladas foram exportadas, na sua maioria, para queimar nas centrais a carvão que foram, entretanto, convertidas e outras centrais de queima de biomassa para produção de eletricidade no Reino Unido, na Dinamarca e na Holanda", referem os dados do Barómetro.

Portugal tem 26 fábricas de "pellets", com uma capacidade superior a 1,7 milhões de toneladas por ano, precisando de três milhões de toneladas de madeira. O pinheiro bravo é o mais usado e os subprodutos da serração são só 25% da madeira usada para as "pellets", afirma-se no comunicado.

O que conclui a Zero é que se está a queimar a floresta portuguesa. E com o apoio do Estado. Desde 2008, refere, os produtores de "pellets" receberam mais de 100 milhões de euros de financiamento público.

A associação diz ainda que a floresta de pinheiro-bravo está "em declínio acentuado", e garante: "apesar da indústria de produção de ´pellets´ alegar que apenas os resíduos florestais e industriais são usados como matéria-prima, existem evidências de que os maiores produtores de "pellets" estão claramente dependentes de grandes volumes de rolaria ou secções do tronco de árvores, resultando numa pressão acrescida sobre a floresta".

E acusa ainda a indústria de dizer que a queima de "pellets" é baixa em carbono e sustentável, quando na verdade as emissões provenientes da combustão das "pellets" "são completamente ignoradas".

A Zero sugere ao Governo que aumente a transparência na indústria de produção de "pellets" na aquisição de madeira, e que introduza uma moratória ao aumento da capacidade de produção de "pellets", que está a competir com outros setores que fabricam produtos de maior valor acrescentado e que mantêm o carbono sequestrado por muito mais tempo, como a indústria dos painéis a aglomerados. .

E que acabe com financiamento público da produção de "pellets".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+