Tempo
|
A+ / A-

Pressão no SNS? "Não se deve a nenhum condicionamento financeiro", garante Medina

16 jun, 2022 - 15:15 • Diogo Camilo

Ministro das Finanças diz que situação que se vive nas urgências de obstetrícia não se deve à falta de dinheiro, mas sim à "escassez de médicos a trabalhar aos fins de semana".

A+ / A-

O ministro das Finanças, Fernando Medina, disse esta quinta-feira que a crise que se vive nas urgências de obstetrícia e ginecologia não se deve à falta de dinheiro, referindo que o problemas é a “escassez de médicos” aos fins de semana.

“O que está a acontecer relativamente no nosso Serviço Nacional de Saúde não decorre de nenhum condicionamento financeiro que tenha sido imposto”, disse Medina em declarações à imprensa no Luxemburgo, onde se encontra numa reunião do Eurogrupo. “Pelo contrário”, acrescentou, recordando um “reforço significativo” de 700 milhões de euros para o SNS no Orçamento do Estado para 2022.

Questionado sobre o problema nas unidades de saúde, o ministro das Finanças apontou à "questão estrutural de carência de efetivos": “O que está hoje colocado é um problema nesta área específica de escassez de médicos a trabalhar na área pública num momento especial de conjuntura, de fins de semana".

As declarações de Medina no Luxemburgo, onde os ministros das Finanças do bloco europeu estão reunidos esta quinta-feira, surge após notícias de vários encerramentos de urgências obstétricas durante determinados períodos.

Até domingo, estão previstos constrangimentos nos serviços de Portalegre, Elvas, Ponte de Sor, Barreiro-Montijo, Torres Vedras, Braga, Santarém e Portimão, enquanto o Sindicato dos Enfermeiros Democráticos de Portugal denunciou a falta de condições na unidade de Faro do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), descrevendo-a como semelhante à de um "hospital do terceiro mundo".

Às 15h desta quinta-feira teve início uma reunião entre o Ministério da Saúde e sindicatos, depois da ministra Marta Temido ter anunciado na quarta-feira uma valorização das remunerações para quem exerce funções no serviço de urgência.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    16 jun, 2022 Coimbra 16:30
    Está enganado!! O que os médicos em geral querem é aumento extraordinário. A ministra da saúde propôs pagar mais por hora a quem faz urgências e já vêm os outro médicos (malandros) e exigir aumento!!!!! Se o controle dos horários em presença física no trabalho fosse efetivo, verificariam que uma parte deles efetivamente não estão no posto de trabalho (faço esta afirmação com conhecimento de causa). Isto acontece porque as administrações dos hospitais são incompetentes ou coniventes. A serem aumentados que sejam os enfermeiros que não podem fugir a cumprir o horário, bem como, não podem sair sem vir o substituto.

Destaques V+