Tempo
|
A+ / A-

Falta de médicos. Reação do Governo é “absolutamente lamentável e vergonhosa”

14 jun, 2022 - 11:28 • Fátima Casanova , Marta Grosso

Secção do Centro da Ordem dos Médicos critica a inação do Ministério da Saúde face à falta de médicos, um problema que a própria ministra reconhece ser “recorrente nesta altura do ano”.

A+ / A-

A Ordem dos Médicos lamenta que só agora a ministra da Saúde decida abrir concursos para contratação de recém-especialistas. Carlos Cortes, da secção do Centro da Ordem, lembra que há três meses que mais de mil médicos aguardam pela abertura de concurso.

“Acho que é uma situação absolutamente lamentável e vergonhosa para o Ministério da Saúde, perante todas as dificuldades que nós conhecemos de falta de médicos, havendo a possibilidade de os contratar imediatamente depois de eles terminarem o seu internato da especialidade”, começa por dizer à Renascença.

Carlos Cortes lembra que há 1.212 “jovens médicos especialistas à disposição do Ministério da Saúde desde o final de março” e “ainda hoje não temos um concurso, um mapa de vagas para colocação destes profissionais onde eles são necessários”.

Na segunda-feira à noite, depois de um fim de semana difícil nas urgências de muitos hospitais, sobretudo no serviço de obstetrícia, a ministra da Saúde anunciou a abertura do concurso para recém-especialistas durante esta semana. É uma das medidas no âmbito do plano de contingência anunciado por Marta Temido que, com o Verão à porta, promete agora maior organização dos serviços e possível reforço de remunerações dos médicos.

O dirigente da secção Centro da Ordem dos Médicos critica o facto de só agora, “quando tudo já está a acontecer” seja feito alguma coisa.

“A ministra da Saúde referiu que este era um problema recorrente. Ela até falou recorrente desde há pelo menos três ou quatro anos nesta altura. É de facto surpreendente fazer uma afirmação dessas, porque se estamos perante um problema recorrente de falta de médicos, com impacto sobre a prestação dos cuidados de saúde fundamentalmente das urgências, então o Ministério da Saúde já se devia ter preparado, já devia ter desenvolvido um plano para evitar que este problema volte a acontecer. Não é em cima do acontecimento e já de forma muito tardia”, defende.

Na segunda-feira, depois de reuniões com várias entidades do setor, Marta Temido garantiu que tudo será feito para evitar situações como as que se viveram nos últimos dias.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo Anastacio
    14 jun, 2022 Leiria 10:37
    Só em Portugal, concerteza. Uma incompetência atroz.

Destaques V+