Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

SHEEP

Software português ajuda a resolver "grande problema" na astronomia

03 jun, 2022 - 12:50 • Núria Melo

A classificação de objetos astronómicos sempre foi um problema. Os astrofísicos tinham dificuldade em distinguir se estes objetos são estrelas, galáxias ou quasares. Em entrevista à Renascença, o investigador Pedro Cunha explica os progressos.

A+ / A-

Para resolver o problema da grande dificuldade em classificar objetos no espaço, investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, no Porto, criaram um novo software de inteligência artificial.

Em entrevista à Renascença, Pedro Cunha explica que este projeto surgiu na altura da dissertação de mestrado. "Nós estávamos à procura de formas de utilizar a inteligência artificial na astronomia e surgiu o grande problema que é a classificação geral, em galáxias, estrelas e quasares", explica.

Através de uma série de técnicas e subtilezas de inteligência artificial, o investigador criou um novo software, o SHEEP, para melhor classificar os objetos no espaço.

"Antigamente nós tínhamos um telescópio muito mais pequeno, então o número de informação era muito mais reduzido", explica Pedro Cunha.

"Agora, temos uma quantidade enorme de dados. Podemos estar a falar de cerca de 1TB de dados, a chegar todos os dias através dos novos telescópios, como por exemplo o James Webb", acrescenta o investigador.

Com o novo software de inteligência artificial, desenvolvido no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, é agora mais rápido e de forma mais eficiente catalogar e classificar milhões de objetos na imensidão do universo.

Pedro Cunha lembra que, "como o universo se está a expandir, nós temos as distâncias cada vez a aumentar mais" e isso estava a dificultar o processo.

Através do SHEEP é possível uma visão "quase em três dimensões" do universo.

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço tem uma ligação forte com a Agência Espacial Europeia (ESA). O investigador está a contribuir para o Euclid, telescópio espacial que vai ser lançado em 2023.

Em declarações à Renascença, Pedro Cunha acrescenta que estes avanços estão a permitir "fazer ciência muito mais rápido".

O software estará disponível a todos os que queiram estudar melhor o universo. O investigador defende que a ciência deve estar ao dispor de todos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+