Tempo
|
A+ / A-

Farmacêuticas alertam para a necessidade de atualizar preços dos medicamentos

28 mai, 2022 - 11:07 • Pedro Mesquita com redação

Apifarma está preocupada com o aumento dos custos de produção e fala em possíveis falhas de fármacos no mercado.

A+ / A-

A Associação da Indústria Farmacêutica sensibiliza o Governo para a necessidade de atualizar o preço de alguns medicamentos, sobretudo os mais antigos e mais baratos, face ao aumento dos custos de produção provocados pela crise energética, agravados pela guerra na Ucrânia.

João Almeida Lopes, o presidente da Apifarma, diz à Renascença ser preciso “olhar para os preços dos medicamentos mais antigos e mais baixos com algum cuidado, para que não virmos a ter problemas de abastecimento. Obviamente, a última coisa que queremos é que possam faltar medicamentos no mercado.”

“Há também muita importação, nomeadamente de princípios ativos provenientes da Índia e da China, e os contentores variam de mês para mês, mas no mínimo quadruplicaram os preços relativamente àquilo que seria o preço médio do ano passado”, salientou, ressalvando que este aumento de preços foi agravado pela guerra na Ucrânia, mas já se vinha a sentir.

Já no final de 2021, havia um forte aumento de preços ao nível dos transportes e da energia devido à dificuldade de transporte com origem na China, “o que tem criado problemas de rutura e de manutenção das cadeias de abastecimento, que é um assunto que preocupa tanto a indústria farmacêutica como o aumento de preços”.

“As cadeias de abastecimento estão cada vez com maiores debilidades, o que, para minimizar, obriga a aumentar os 'stocks', a antecipar encomendas numa conjuntura de preços altos, tendo assim aqui uma série de fatores que contribuem muito negativamente para a estrutura de custos de produção da indústria farmacêutica”, sublinhou.

Ao contrário de outros setores, os sucessivos aumentos dos encargos com a produção e distribuição de produtos farmacêuticos, causados inicialmente com a crise energética e agravados agora pelos efeitos da guerra na Ucrânia, não podem ser compensados pelo aumento do preço dos medicamentos, cujas margens são estipuladas pelo Estado.



Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+