Tempo
|
A+ / A-

Misericórdias querem setor social presente na concertação

26 mai, 2022 - 11:30 • Cristina Nascimento

Presidente da União das Misericórdias Portuguesas aposta também numa descentralização “com bom senso” e cooperação entre autarquias e setor social.

A+ / A-

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas defende a presença do setor social à mesa da concertação social. A ideia foi avançada na conferência “Pós-Pandemia, Recuperação e Resiliência do Pilar Social em ano de descentralização de competências”, organizada pela Renascença e pela Câmara de Gaia.

“Na concertação, temos patrões e sindicatos. Onde está o setor social e a economia social?”, questionou Manuel Lemos. "Vamos romper horizontes e chamar a economia e o setor social”.

Este responsável vai ao encontro da ideia de reforma expressa pelo presidente do Conselho Económico e Social (CES), Francisco Assis.

Manuel Lemos defendeu ainda um avanço da descentralização, lembrando que ser favorável à descentralização é ser favorável à Europa, pois, sublinha, o que está previsto no Tratado de Roma é que a Europa seja a “Europa das comunidades, das autarquias, dos presidentes da câmara”.

No entanto, defende uma descentralização “com bom senso” e que aproveite “as potencialidades de cada um”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+