Tempo
|
A+ / A-

Lisboa. ​Corte de trânsito na Av. da Liberdade pode gerar redução até 300 postos de trabalho

23 mai, 2022 - 12:09 • Maria João Costa

A denúncia é da Associação Avenida da Liberdade que junta vozes de lojas, restaurantes, hotéis, e de espaços culturais como o Cinema São Jorge, ou o Tivoli BBVA. A medida da autarquia que prevê o fecho aos domingos e feriados, deverá provocar uma quebra de 18% a 20% nas receitas.

A+ / A-

O impacto económico do encerramento da Avenida da Liberdade ao trânsito aos domingos e feriados poderá provocar quebras de receitas na ordem dos 18% a 20%. Quem o diz é a Associação Avenida da Liberdade. Em comunicado, a associação que reúne marcas de retalho, restaurantes, hotéis e escritórios, bom como representantes da área cultural contesta a medida que a autarquia de Lisboa quer implementar.

Associados como a Casa-Museu Medeiros e Almeida, o Cinema São Jorge, Tivoli BBVA e o Hot Club Portugal, bem como várias empresas de serviços que integram a associação estimam o fecho do trânsito possa levar à “redução de 200 a 300 postos de trabalho”, provocada pela quebra de faturação.

A Associação Avenida da Liberdade refere que a “haverá repercussões em todas as áreas desde a hotelaria à cultura, passando pela restauração e por todos os serviços”. Segundo estes associados que juntam a sua voz de contestação a outras como os teatros daquele eixo da cidade que já na sexta-feira tinham manifestado publicamente contra a medida, o corte de circulação terá “consequências nacionais, pois irá afetar a dinâmica do turismo, sendo este o grande motor do crescimento do PIB e dos principais criadores de emprego”.

Para Pedro Mendes Leal, Presidente da Associação Avenida da Liberdade, “o desenvolvimento da cidade não pode ser feito contra as pessoas que cá moram e cá trabalham. Os domingos e feriados são dos dias mais dinamizadores das salas de espetáculos, dos restaurantes, da hotelaria, das lojas e diferentes serviços. Esta decisão, tomada sem estudos e sem um diálogo com as pessoas, trará consequências para os negócios. Percentualmente falamos de uma diminuição de faturação em todos os setores de cerca de 18 a 20%”.

O mesmo responsável lembra que os rendimentos dos trabalhadores também sofrerão consequências, já que “domingos e feriados são remunerados a valores mais altos que os dias úteis”. Recordando que a restauração já sofreu “dois anos com elevadas restrições nos vários espaços devido a Covid-19”, a associação fala em elevados prejuízos.

Já o turismo, segundo a associação, “em particular a hotelaria, será prejudicado pois a logística de chegada e saída de hospedes será mais complexa”.

Também a área da cultura poderá ter de diminuir a atividade, devido à redução da afluência às salas de espetáculo. Sublinhando que é na Avenida da Liberdade que estão algumas das salas de espetáculo mais emblemáticas do país, “esta medida terá um impacto negativo e poderá implicar a redução das sessões de espetáculos ao Domingo”, considera Paulo Dias, do Teatro Tivoli BBVA.

Para a associação, esta medida da autarquia “é inesperada e profundamente revoltante”. No comunicado, Pedro Mendes Leal lamenta que “não houve diálogo” e que “em todas as áreas se prevê um impacto negativo”.

A proposta para o corte de trânsito na Avenida da Liberdade foi apresentada pelo Livre e aprovada pela oposição numa reunião privada do executivo municipal liderado por Carlos Moedas (PSD), que governa o concelho sem maioria, prevê ainda a redução em 10 quilómetros/hora (km/h) da velocidade máxima de circulação permitida atualmente em toda a cidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    23 mai, 2022 Sou dos poucos que não está em Lisboa 17:41
    Melhora-se a qualidade do ar e, a longo prazo, a saúde da população que reside naquela área. O dinheiro não é tudo...
  • Cidadao
    23 mai, 2022 Lisboa 13:53
    Já têm associação, agora contratem um bom escritório de advocacia, e ponham uma ação popular contra a autarquia para impedir esse fecho, em vez de andarem a lamuriar-se pelos cantos ...

Destaques V+