Tempo
|
A+ / A-

Infarmed ordena retirada do mercado de cosméticos das marcas Endocare e Real Natura

19 mai, 2022 - 23:46 • Lusa

Os produtos contêm "Butylphenyl methylpropional", um composto químico aromático considerado cancerígeno, e cujo uso em cosméticos é proibido desde o passado dia 1 de março na União Europeia.

A+ / A-

A autoridade nacional do medicamento (Infarmed) ordenou esta quinta-feira a suspensão imediata da comercialização e a retirada do mercado português de produtos cosméticos das marcas Endocare e Real Natura por conterem na sua composição um ingrediente proibido.

Os produtos contêm "Butylphenyl methylpropional", um composto químico aromático considerado cancerígeno, e cujo uso em cosméticos é proibido desde o passado dia 1 de março na União Europeia.

Em comunicado, a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) adianta que, no âmbito de uma ação de fiscalização, verificou que a empresa IFC Skincare Portugal -- Produtos Dermatológicos, Unipessoal, Lda. ainda se encontrava a comercializar produtos cosméticos da marca Endocare (Creme tensor nutritivo, Day SPF30, Tensor ampolas, Tensor Contorno Olhos) que continham na sua composição Butylphenyl methylpropional.

Ainda no âmbito da ação de fiscalização, a autoridade do medicamento "constatou a existência no mercado nacional de produtos cosméticos da marca Real Natura, que continham na sua composição Butylphenyl methylpropional e cuja Pessoa Responsável é a empresa Real Natura, Lda".

Entre os produtos, estão condicionadores, máscaras e champôs para o cabelo e creme para o rosto da Real Natura.

Pelas mesmas razões, o Infarmed já tinha ordenado na quarta-feira a retirada do mercado dos produtos cosméticos da marca Real Voir.

A autoridade do medicamento avisa as entidades que disponham destes produtos que não os podem disponibilizar, tal como os consumidores que os tenham não devem utilizá-los.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+