Tempo
|
A+ / A-

Sobe para 14 o número de casos de varíola dos macacos em Portugal

18 mai, 2022 - 21:12 • João Carlos Malta

Há ainda mais duas amostras em análise.

A+ / A-

A Direção-Geral da Saúde (DGS) informa que foram confirmados mais nove casos de infeção humana por vírus Monkeypox em Portugal, havendo, até ao momento, 14 casos confirmados.

Os novos casos foram confirmados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), esta quarta-feira, dia 18, ao final da tarde, existindo ainda duas amostras em análise.

Relativamente aos restantes casos suspeitos, as amostras ainda serão remetidas para análise pelo INSA.

A DGS anucia ainda em comunicado que os casos identificados "mantêm-se em acompanhamento clínico, encontrando-se estáveis".

Neste momento, decorrem ainda os inquéritos epidemiológicos, com o objetivo de identificar cadeias de transmissão e potenciais novos casos e respetivos contactos.

A DGS recorda que a doença por vírus Monkeypox é transmissível através de contacto com animais ou ainda contacto próximo com pessoas infetadas ou com materiais contaminados.

A doença é rara e, habitualmente, não se dissemina facilmente entre os seres humanos. Os indivíduos que apresentem lesões ulcerativas, erupção cutânea, gânglios palpáveis, eventualmente acompanhados de febre, arrepios, dores de cabeça, dores musculares e cansaço, devem procurar aconselhamento clínico.

Perante sintomas suspeitos, o indivíduo deverá abster-se de contactos físicos diretos.

"A abordagem clínica não requer tratamento específico, sendo a doença habitualmente autolimitada em semanas. A DGS e o INSA mantêm-se a acompanhar a situação a nível nacional e em articulação com as instituições europeias", escreve em comunicado a DGS.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+