Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Quase metade dos portugueses que testaram na última semana tinham Covid-19

18 mai, 2022 - 17:18 • Diogo Camilo

É um máximo da pandemia em Portugal. A taxa de positividade de testes à Covid-19 dos últimos sete dias está 11 vezes acima do limite de risco definido pela DGS, o que sugere que o número real de casos seja muito superior ao que está a ser registado. Proporção de testes positivos duplicou desde o fim da máscara em espaços fechados.

A+ / A-

Nos últimos sete dias, por cada 100 testes à Covid-19 realizados, quase metade revelaram-se positivos.

Numa altura em que o número de casos dispara e que Portugal sobe a líder mundial de incidência da pandemia, a taxa de positividade está nos 44,4% - 11 vezes acima do limite de risco de 4% definido pela DGS, o que sugere que o número de casos seja bem elevado ao que está a ser registado.

De acordo com dados divulgados pela Direção-Geral de Saúde, o número de testes realizados entre quarta-feira da semana passada e a última terça foi de 355 mil, muito superior ao das últimas semanas, mas, ainda assim, insuficiente face à quantidade de casos confirmados no mesmo período: 157 mil, um aumento de quase 60 mil em sete dias.

Esta terça-feira foi registada a maior proporção de testes positivos desde o início da pandemia: 47%, depois de quase 34 mil novos casos positivos confirmados a partir de cerca de 72 mil diagnósticos realizados.

No último relatório das “linhas vermelhas”, o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) dava conta de que a percentagem de testes positivos para SARS-CoV-2 estava, a 9 de maio, nos 41,6%, enquanto o número de testes realizados tinha baixado em relação à semana anterior: 265 mil, em comparação com os 316 mil realizados entre 26 de abril e 2 de maio.

Proporção de testes positivos duplicou desde o fim da máscara

Uma taxa de positividade a testes á Covid-19 não é nova de agora: a última vez que Portugal esteve abaixo dos 4%, o limite de risco definido pela DGS, foi a 24 de dezembro do ano passado, apontando o Natal como a data que deu início à quinta vaga que se prolongou até ao final de fevereiro.

No entanto, a subida deste indicador nas últimas semanas tem um denominador comum com a subida de casos: o fim da medida de uso obrigatório de máscara em espaços fechados, que entrou a vigor a 22 de abril. Nesse dia, a taxa de positividade a sete dias era então 22,3%, passando para os 44,4% em menos de um mês.

Quando Portugal estava no pico e a registar médias semanais de 55 mil novos casos por dia, a média de testes também era muito alta e rondou 300 mil testes por semana, mas a taxa de positividade nunca foi superior a 20%.

Agora, são confirmados um pouco menos de metade dos casos que na altura, mas Portugal faz seis vezes menos testes à Covid-19.

Fim da comparticipação fez cair número de testes realizados

Outra das razões para a subida da taxa de positividade foi a redução do número de testes à Covid-19 feitos a partir de maio, altura em que os diagnósticos deixaram de ser comparticipados e em que Portugal começou novamente a subir os números de casos diários.

Na altura, o Ministério da Saúde alegou como motivo a “evolução positiva da situação epidemiológica de covid-19 em Portugal e a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde”.

A 30 de abril, o último dia em que testes estavam comparticipados, a média semanal de testes realizados era de quase 300 mil, passando para cerca de 250 mil uma semana depois.

Duas semanas depois, o Ministério da Saúde voltou atrás mas só em certa parte: a Linha SNS24 passou a prescrever testes de antigénio de forma automática a quem tenha um teste positivo. Com isto, o número de testes voltou a subir e está agora nos 355 mil testes realizados por semana.

Farmácias com pico de procura de testes

Esta quarta-feira, a presidente da Associação Nacional de Farmácias (ANF) manifestou disponibilidade para voltar a realizar despistes gratuitos à população, indicando ter sido registado um pico de procura de testes de Covid-19 nesta segunda-feira, quando foram realizados 17 mil.

“Na primeira semana [após o fim da comparticipação] houve uma diminuição na ordem dos 60% do número de testes efetuados nas farmácias. Nós tínhamos uma média de 25 mil, podendo chegar aos 30 mil dependente do dia da semana, e passámos a ter nove mil testes diários em média na primeira semana de maio”, avançou à agência Lusa Ema Paulino.

De acordo com a responsável da ANF, este serviço de testes rápidos de antigénio (TRAg) de uso profissional tem sido agora procurado maioritariamente por pessoas que apresentam sintomas de Covid-19.

“A perceção e os relatos que vamos tendo é que a positividade é grande, porque são as pessoas que já apresentam sintomas que mais se dirigem às farmácias para efetuar o teste“, afirmou Ema Paulino, que levanta a hipótese dos testes voltarem a ser gratuitos, seja através do regresso da modalidade de comparticipação pelo Serviço Nacional de Saúde, ou através do sistema em vigor de prescrição pela linha SNS 24.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+