Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia: Portugal vai enviar mais 160 toneladas de material

17 mai, 2022 - 17:20 • Lusa

Ministra da Defesa explica que "não se trata apenas de equipamento militar, mas também de apoio médico e sanitário e humanitário".

A+ / A-

Portugal está a preparar o envio de mais 160 toneladas de material para a Ucrânia, incluindo equipamento militar, disse hoje em Bruxelas a ministra da Defesa, Helena Carreiras, após um Conselho de Negócios Estrangeiros na vertente de Defesa.

À saída daquela que foi a sua primeira reunião ao nível da União Europeia desde que assumiu a pasta da Defesa, Helena Carreiras apontou que o ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, que participou por videoconferência, fez "uma avaliação otimista" da situação no terreno, mas reforçou a ideia de que a Ucrânia continua a necessitar de apoio, "e apoio de equipamento pesado para fazer face aos desafios que ainda têm".

Segundo a ministra, há "a perceção de todos de que há uma guerra que está para continuar" e, da parte de todos os Estados-membros, a ideia de que os 27 devem continuar a fazê-lo, tendo mesmo o Alto Representante da UE para a Política Externa e de Segurança, Josep Borrell, terminado a reunião "pedindo aos Estados-membros que continuem a apoiar a Ucrânia, porque é preciso sustentar a resistência do povo ucraniano e das forças armadas ucranianas", disse.



Helena Carreiras reiterou que Portugal continuará, assim como os seus aliados, a prestar apoio "na medida das possibilidades", anunciando então o envio, em breve, de mais material, militar e não só.

"Como foi noticiado, mandámos numa primeira fase 170 toneladas, mais ou menos, de material militar letal e não letal, mas também outro tipo de material. Estamos agora a preparar um novo envio de mais 160 toneladas de material, e gostaria de destacar a diversidade dos nossos apoios", afirmou.

A ministra salientou que "não se trata apenas de equipamento militar, trata-se também de apoio médico e sanitário e humanitário", tendo também Portugal já manifestado "disponibilidade para receber feridos ucranianos" - o que ainda não sucedeu - além do acolhimento de refugiados ucranianos.

"Há, portanto, aqui uma grande variedade de apoios, sendo que falámos nesta reunião também da continuidade de apoio relacionado com treino, por exemplo, ou desminagem, numa fase posterior. Vamos continuar a conversar sobre o que são as necessidades da Ucrânia, porque é de facto isso que está em causa", afirmou.

Fazendo um balanço da sua estreia em Conselhos ministeriais em Bruxelas, a ministra da Defesa admitiu ter ficado positivamente surpreendida pela "determinação e união" dos 27, designadamente em relação à Ucrânia.

"Foi uma reunião que me surpreendeu, a primeira reunião em que participo aliás como ministra da Defesa, pela forma como encontrei determinação e união dos ministros de um modo geral naquilo que são as questões que nos ocupam hoje", disse, sublinhando designadamente o "apoio generalizado" à Ucrânia face à agressão militar russa de que está a ser alvo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+