Tempo
|
A+ / A-

Incêndios. MAI diz que dispositivo de combate é mais seguro e de maior confiança

14 mai, 2022 - 14:01 • Teresa Paula Costa

Ministro José Luís Carneiro reconhece que não é possível prever todas as situações, mas garante que experiência de 2017 ajudou a preparar dispositivo mais seguro e apela aos cidadãos para limparem os terrenos.

A+ / A-

O ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, considera que Portugal está atualmente mais capaz de evitar tragédias como os incêndios de Pedrógão Grande.

Na apresentação do DECIR 2022 - dispositivo especial de combate a incêndios - que decorreu este sábado em Castanheira de Pera, José Luís Carneiro admitiu, porém, que nunca seremos capazes de prevenir todos os imprevistos.

Considerando que é muito importante ter a noção de que “há sempre aspetos de complexidade que são imprevisíveis”, o governante salientou que “seria muito irresponsável dizer que todas as variáveis estão hoje absolutamente controladas.”

“Não estão”, adiantou o Ministro, porque “há variáveis que estão para além do conhecimento que existe”. E fez a analogia com o que aconteceu no incêndio de 2017, em que “o conhecimento que existia até então não foi o suficiente para enfrentar aquela complexidade.”

Por outro lado, “temos consciência de que há fatores de imprevisibilidade que superam toda a capacidade de diagnóstico, de prospetiva e de planeamento.”

Contudo, afirmou José Luís Carneiro, o dispositivo de hoje “é mais seguro e suscita mais confiança, tem mais meios e mais competências, além de mais conhecimento científico agregado ao planeamento e à resposta.”

Neste ano, o Ministério decidiu dar um reforço financeiro de 3,2 ME às corporações de bombeiros.

Quanto ao dispositivo terrestre, de 1 de julho a 30 de setembro, ele contará com mais 859 elementos do que em 2021, num total de 12.917 elementos, mais 267 equipas, num total de 3.062, e mais 177 viaturas do que no ano passado, num total de 2.833.

Em permanência, de 1 de junho a 15 de outubro, estarão 60 meios aéreos.

O ministro realçou, no entanto, a importância de os “cidadãos cumprirem os seus deveres essenciais”, nomeadamente “as limpezas em torno das habitações”.

Para José Luís Carneiro, “está amplamente demonstrado que esse esforço de limpeza em torno das habitações é fator de segurança para os bens, para o património das pessoas e, também, das suas próprias vidas”, por isso apelou aos cidadãos “para que não deixem de cumprir aquilo que são as suas obrigações”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+