Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Caso dos refugiados ucranianos em Setúbal foi "pontual", defende presidente da ANMP

02 mai, 2022 - 23:23 • Lusa

Luísa Salgueiro sublinha que a responsabilidade, nesta matéria, é do Alto Comissariado das Migrações, com quem a associação articula a receção e acolhimento de refugiados, uma vez que não faz “trabalho direto, município a município.”

A+ / A-

A presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) disse esta segunda-feira que acredita que a receção de refugiados ucranianos em Setúbal por alegados defensores do regime russo é um “caso pontual”, que não terá acontecido “na generalidade” dos municípios.

Em declarações aos jornalistas, à margem de uma reunião com os municípios do Algarve, Luísa Salgueiro apelou a que não se “confunda um problema que tenha havido, pontual, numa autarquia e se desvalorize a importância crucial que os municípios têm tido” no acolhimento de refugiados ucranianos.

Segundo a também presidente da Câmara de Matosinhos, o episódio que envolveu a Câmara de Setúbal ter-se-á tratado de “um caso pontual” e a “generalidade dos municípios não tem processos idênticos”. No entanto, frisou, a ANMP “não é a entidade fiscalizadora” nesse domínio.

“Não é uma matéria que seja da competência da ANMP. A ANMP, desde o início da invasão, que teve a preocupação de articular as respostas entre todas as autarquias e criar plataformas de concertação de respostas”, referiu.

A presidente da associação sublinhou que a responsabilidade, nesta matéria, é do Alto Comissariado das Migrações, com quem a associação articula a receção e acolhimento de refugiados, uma vez que não faz “trabalho direto, município a município.”

"O importante, neste momento, primeiro, é dizer que tem sido mais uma vez decisivo o papel das câmaras municipais na resposta e no acolhimento de primeira linha a estas populações”, apontou, frisando que não se deve desvalorizar o papel das autarquias no apoio aos refugiados.

De acordo com a última edição do jornal Expresso, refugiados ucranianos foram recebidos na Câmara de Setúbal por dois cidadãos de origem russa, Igor Khashin, também líder da associação Edinstvo, subsidiada pela autarquia desde 2005 e que recebeu apoios financeiros de quase 90 mil euros nos últimos três anos, e a mulher, Yulia Khashina, funcionária do município sadino.

Segundo o jornal Expresso, Igor e Yulia terão, alegadamente, fotocopiado documentos de identificação dos refugiados ucranianos, além de terem feito perguntas sobre o paradeiro de familiares que deixaram na Ucrânia, à margem do que estará previsto nestes casos.

Entretanto, a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) anunciou a abertura um inquérito para perceber se houve ilegalidades no tratamento dos dados de refugiados ucranianos em Setúbal, caso que foi, também, enviado para a Inspeção Geral das Finanças, a quem competem os "inquéritos e sindicâncias".

Segundo Luísa Salgueiro, durante a reunião da ANMP que se realizou esta segunda-feira na sede da Comunidade Intermunicipal do Algarve, em Faro, um dos temas mais falados foi a descentralização de competências, matéria na qual o Algarve está numa “situação bem mais avançada” que no resto do país, referiu.

No entanto, já na quinta-feira, na comissão parlamentar do orçamento, a ANMP pretende reivindicar a revisão dos valores e os critérios de atribuição das verbas que se vão transferir para os municípios no âmbito do processo, adiantou.

“Vamos propor a atualização das verbas, vamos propor a revisão dos critérios, é isso que está na tomada de posição que já enviámos à senhora ministra da Coesão e que vamos apresentar quinta-feira”, referiu, esclarecendo que não vai ser proposto um valor fixo, mas sim a revisão de princípios e regras.

De acordo com a presidente da ANMP, as condições estabelecidas aquando do arranque do processo de descentralização “foram significativamente alteradas”, primeiro com a pandemia de covid-19 e agora a guerra na Ucrânia.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+