Tempo
|
A+ / A-

Refugiados ucranianos. Governo desmente Câmara de Setúbal e diz que não recebeu pedido de esclarecimento

29 abr, 2022 - 16:11 • João Carlos Malta

Gabinete do primeiro-ministro avança que não foi solicitada "qualquer informação sobre a Associação EDINSTVO, nem sobre o cidadão Igor Khashin".

A+ / A-

O Governo rejeita que tenha recebido por parte da Câmara de Setúbal um pedido de esclarecimento sobre veracidade das decalarações do Alto Comissariado para as Migrações sobre a receção de ucranianos em Portugal por russos com ligações ao Kremlin.

O executivo confirma que recebeu uma carta, mas que a mesma era um protesto contra as declarações daquele responsável a uma estação televisiva.

Em resposta à autarquia setubalense, o gabinete do primeiro-ministro diz que "a carta que o Presidente da Câmara Municipal de Setúbal dirigiu ao Primeiro-Ministro no passado dia 11/04/22 é um protesto sobre declarações prestadas pela Embaixadora da Ucrânia em Lisboa, à CNN, e foi reencaminhada para os efeitos tidos por convenientes para o MNE".

"Na referida carta não é solicitada qualquer informação sobre a Associação EDINSTVO, nem sobre o cidadão Igor Khashin", acrescenta a mesma comunicação.

Na sequência da notícia do jornal Expresso, que revela que pelo menos 160 refugiados ucranianos terão sido recebidos pelo antigo presidente da Casa da Rússia e pela mulher, funcionária do município de Setúbal, a autarquia veio esclarecer que "o sr. Igor Kashin, citado na notícia do Expresso, colabora, regularmente, há vários anos, com várias entidades da administração central, entre as quais o Instituto de Emprego e Formação Profissional, o Alto Comissariado para as Migrações e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras".

Kashin garante a câmara colaborou já este ano, "em instalações de alguns destes serviços em Setúbal, no contexto do acolhimento de refugiados da guerra da Ucrânia".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+