Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"Pouco robusta". Não é provável que criança no Hospital São João tenha hepatite aguda

28 abr, 2022 - 21:49 • Lusa

Também presente na demonstração, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Lacerda Sales, salientou que o Governo "olha com preocupação" para os cerca de 200 casos de hepatite aguda em crianças que têm surgido a nível mundial.

A+ / A-

O presidente do Conselho de Administração do Hospital de São João, no Porto, afirmou esta quinta-feira que não se prevê a criança internada com sintomas "suspeitos" de hepatite aguda tenha mesmo a doença

"Temos uma criança suspeita de hepatite aguda que ainda está a ser avaliada do ponto de vista laboratorial. Cumpre com os critérios que estão definidos para caso suspeito, por isso, ainda hoje será registada dessa forma, ainda que em termos clínicos a suspeita para este tipo de hepatite seja pouco robusta", indicou Fernando Araújo.

Em declarações aos jornalistas, à margem do primeiro teste com veículos não tripulados realizado no hospital, o responsável afirmou que a criança, de três anos, está "estável" e que a sua evolução clínica está a ser acompanhada.

"Estão a ser determinadas algumas análises que poderão ajudar a determinar a etiologia desta hepatite", disse, acrescentando que alguns dos resultados dos exames laboratoriais vão ser conhecidos hoje e os restantes ao longo dos próximos dias.

"Para já a criança está estável, tem para já um percurso favorável, vamos com alguma tranquilidade seguir, acompanhar e esperar", acrescentou.

Também presente na demonstração, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Lacerda Sales, salientou que o Governo "olha com preocupação" para os cerca de 200 casos de hepatite aguda em crianças que têm surgido a nível mundial.

"São cerca de 200 casos a nível mundial, com 20 casos de transplante hepático. De facto, aquilo que devemos fazer neste momento é ter os colegas de medicina geral e familiar e pediatras em grande alerta, para poderem monitorizar e as pessoas estarem sensibilizadas para alguns sintomas nestas crianças", salientou.

Lacerda Sales reforçou que, neste momento, a preocupação do Governo é "monitorizar e acompanhar de perto a situação".

"Não há nenhum caso em Portugal e não há nenhum motivo para alarme. De qualquer forma, convém dizer que temos uma equipa de transplante hepático pediátrico no Hospital Universitário de Coimbra para poder acompanhar de perto caso haja necessidade", observou, lembrando que faltam ainda saber os resultados do caso suspeito que deu entrada no domingo no Hospital de São João.

Questionado sobre se a pandemia da Covid-19 e consequentemente, a vacina contra o SARS-CoV-2 continuava a ser vista como uma possível causa para a origem do surto de hepatite, Lacerda Sales afirmou que tal "não está descartado".

"É óbvio que numa doença em que neste momento se conhece ainda muito pouco a nível mundial e se está a fazer esse estudo, nada se pode descartar, mas neste momento também não é a primeira hipótese de diagnóstico", acrescentou.

No domingo, a OMS anunciou que uma criança morreu vítima do misterioso surto de doença hepática que está a afetar crianças na Europa e nos Estados Unidos, sem revelar em que país ocorreu a morte.

O surto "de origem desconhecido", que foi anunciado pela OMS a 15 de abril, causa inflamação do fígado e "em muitos casos", sintomas gastrointestinais como dores abdominais, diarreia e vómitos, e elevação das enzimas do fígado.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+