Tempo
|
A+ / A-

"É preciso conhecer o inimigo"

Adenovírus modificado será o responsável por surto de hepatite atípica em crianças

27 abr, 2022 - 19:48 • Pedro Mesquita

Até agora foram identificados cerca de 200 casos em todo o mundo, mas nenhum em Portugal. Dos poucos conselhos a dar aos pais, Rui Tato Marinho, que dirige o Programa Nacional para as Hepatites Víricas da Direção-Geral da Saúde, diz que o mais importante é lavar as mãos.

A+ / A-

O diretor do Programa Nacional para as Hepatites Víricas diz ser importante conhecer bem o agente que está na origem do surto de hepatite aguda em crianças.

Até esta altura, foram identificados cerca de 200 casos em todo o mundo, mas, ainda nenhum em Portugal.

Esta quarta-feira, o Centro Europeu de Prevenção de Doenças reuniu de urgência para definir a estratégia para lidar com este problema.

Em declarações à Renascença, o responsável pelo Programa Nacional para as Hepatites Víricas, da Direção-Geral da Saúde (DGS), sublinha que a prioridade “é conhecer o inimigo”, o que “implica colher os dados todos”.

“É preciso perceber se é um vírus, ou não, e como é que ele se comporta. É fundamental, portanto, recolher informação e partilhá-la. E, depois, estar preparado - os pediatras, os médicos de família, os cirurgiões que fazem transplante - para o que possa vir a acontecer nesta invasão do inimigo", acrescenta.

Tato Marinho diz que há várias pistas em investigação, mas o principal suspeito é o “Adenovírus 41”, um vírus modificado que ter-se-á tornado mais agressivo.

Mas há outras hipóteses, “que são ainda teorias: uma delas é que as crianças tenham estado afastadas das infeções. Na vida normal, quando são pequeninas as crianças infetam-se umas às outras e acaba por ser uma vacinação natural. Isso deixou de acontecer porque elas ficaram mais fechados e porque os adultos à volta, que também são transmissores de infeções andavam todos de máscara, e o ser humano não nasceu para andar com máscara à frente do nariz e da boca", sublinha.

Os especialistas também estabeleceram critérios de diagnóstico para doentes com algumas características comuns.

"De uma forma geral e simplista, são crianças a grande maioria, neste momento, são crianças de 3 a 5 anos e com uma elevação muito grande nas análises do fígado, o que denota a tal inflamação aguda a chamada Hepatite aguda", explica Rui Tato Marinho.

Conselhos os pais

O diretor do Programa Nacional para as Hepatites Víricas da DGS diz que são, ainda, muitas as incógnitas, pelo que não é possível, para já, dar muitos conselhos aos pais.

Tendo em conta os dados que se conhecem, a principal recomendação é a lavagem frequente das mãos, para prevenir "a hipótese de isso ser um vírus que se transmite dessa maneira: através das mãos, de alimentos contaminados ou das fezes".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+