Tempo
|
A+ / A-

Portugal aceitou mais de 33 mil pedidos de refugiados ucranianos

25 abr, 2022 - 15:59 • Lusa

Os municípios que registam mais pedidos de proteção temporária "continuam a ser Lisboa, Cascais, Sintra, Porto e Albufeira.

A+ / A-

Portugal já aceitou 33.106 pedidos de proteção temporária de cidadãos ucranianos e estrangeiros que viviam na Ucrânia desde o início do conflito no país, divulgou esta segunda-feira o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

"O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) atribuiu, desde o início do conflito na Ucrânia, 33.106 proteções temporárias a cidadãos ucranianos e a cidadãos estrangeiros que residiam naquele país. Destes, 22.208 são mulheres e 10.898 são homens", pode ler-se numa nota do SEF.

De acordo com a nota, os municípios que registam mais pedidos de proteção temporária "continuam a ser Lisboa, Cascais, Sintra [todos no distrito de Lisboa], Porto e Albufeira [distrito de Faro]".

Relativamente a certificados de autorização de residência ao abrigo do regime de proteção temporária, "contendo números de utente de saúde, de segurança social e de identificação fiscal atribuídos pelas respetivas entidades, o SEF já emitiu 24.764".

Os menores representam 11.410 do total de 33.106 proteções temporárias concedidas, dividindo-se entre acompanhados e não acompanhados.

"Desde o início do conflito, o SEF já comunicou ao MP [Ministério Público] 526 menores que se apresentaram na presença de outra pessoa que não o seu progenitor ou representante legal comprovado, sem perigo atual ou iminente", adianta.

Jà à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens foram comunicados "15 menores não acompanhados e/ou na presença de outra pessoa que não o seu progenitor ou representante legal comprovado, em perigo atual ou iminente", detalha a nota de hoje.

O SEF tem uma plataforma "online", em três línguas, para pedidos de proteção temporária por residentes ucranianos, disponível em https://sefforukraine.sef.pt.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, das quais mais de 5,16 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU -- a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+