Tempo
|
A+ / A-

Médicos de Saúde Pública

Governo "podia ter sido mais prudente" com fim de uso obrigatório de máscara

21 abr, 2022 - 22:53 • João Malheiro

Gustavo Tato Borges aponta que o Executivo "foge do plano definido para se levantar o uso das máscaras". Quanto à Páscoa, acredita que a quadra "não terá tido um impacto considerável" nos números da Covid-19, em Portugal.

A+ / A-

Veja também:


O presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública (ANMSP) considera que o Governo "podia ter sido mais prudente" antes de anunciar o fim da obrigatoriedade do uso de máscara.

À Renascença, Gustavo Tato Borges aponta que o Executivo "foge do plano definido para se levantar o uso das máscaras".

"Esta decisão sai desse plano e que o próprio Governo tinha definido, talvez motivado por algum ruído e contestação que surgiu agora", acrescenta.

O presidente da ANMSP lamenta que o Governo não tenha tido "um pouco mais de paciência e cautela" e criado um "nível intermédio" para progressivamente chegar ao fim do uso de máscara.

"Por exemplo, levantar as máscaras nas escolas e só depois nos restos dos espaços", defende.

Gustavo Tato Borges considera que, agora, "caberá a cada um de nós" saber medir o risco nos contactos do dia a dia, "de maneira a que não haja um agravamento de casos e internamentos e óbitos".

No entanto, acredita que a Páscoa "não terá tido um impacto considerável" nos números da Covid-19, em Portugal.

"Já estaríamos a assistir a essa realidade", refere.

O Governo anuncia que deixa de ser obrigatório o uso de máscaras nas escolas e em espaços fechados, exceto em locais com "pessoas especialmente vulneráveis" e nos transportes públicos, incluindo táxis e similares. O anúncio foi feito pela ministra da Saúde, Marta Temido.

A governante recorda, no entanto, que a pandemia "não acabou" e admite que, sazonalmente, podem vir a ser tomadas novas medidas.

Marta Temido recordou que os especialistas tinham aconselhado o fim do uso das máscaras perante determinados valores para a mortalidade e número de internados. A mortalidade a 14 dias situa-se neste momento nos 27,9, acima do valor estabelecido de 20 mortos por milhão de habitantes, mas o número de internados está "muito abaixo" dos limites previstos.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+