Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Conselho Nacional de Saúde contra uso de máscara nas escolas

19 abr, 2022 - 12:17 • Lusa

A Covid-19 entre a comunidade educativa "não tem uma dimensão objetiva que o justifique", argumenta o órgão consultivo do Governo.

A+ / A-

Veja também:


O Conselho Nacional de Saúde (CNS) contesta a manutenção do uso de máscara nas escolas, considerando que a infeção da covid-19 entre a comunidade educativa "não tem uma dimensão objetiva que o justifique".

A posição é expressa numa nota divulgada hoje na sequência de uma reunião plenária do CNS na quarta-feira, dia em que a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, defendeu que o uso da máscara deve continuar nas escolas, onde há "uma grande população" suscetível de se infetar e infetar os outros, em particular familiares, mantendo a recomendação da sua utilização para menores a partir dos 10 anos.

O CNS "vê com apreensão a insistência" no uso de máscara "no contexto das escolas e creches", considerando que "esta medida de proteção individual", sendo de "aplicação proporcional", deve "restringir-se a outros contextos mais específicos", como serviços de saúde ou lares, e "não à comunidade escolar, onde a infeção não tem uma dimensão objetiva que o justifique".

Na quarta-feira, a diretora-geral da Saúde disse que, apesar de a covid-19 nas crianças ser "habitualmente ligeira", o fim do uso da máscara nas escolas "é um risco ainda grande com a transmissibilidade que ainda existe".

O Conselho Nacional de Saúde, que se reuniu nesse dia para discutir as medidas em vigor em Portugal na resposta à pandemia da covid-19, é um órgão consultivo do Governo liderado pelo epidemiologista Henrique Barros.

A covid-19 é uma doença respiratória infecciosa causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado em finais de 2019 na China e que se disseminou rapidamente pelo mundo.

A Ómicron é a variante do SARS-CoV-2 dominante e a mais transmissível.

Apesar de eficazes, as vacinas contra a covid-19 em circulação não impedem totalmente a infeção e a transmissão da infeção.

Em declarações à Renascença, na semana passada, a diretora-geral da Saúde disse que ainda não chegou o tempo de abandonar a máscara nos espaços fechados.

Graça Freitas defende que há que "jogar com segurança e não perder nada do que já foi adquirido" e, por isso, considera ser "seguro esperar mais uns dias”.

Os alunos e professores iniciam o terceiro período com a obrigatoriedade de uso de máscara na sala de aula. O presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas tem a expectativa que a medida seja apenas para um mês.

“Não se percebe como é que nos bares e discotecas não se usa máscara – é tudo ao molho e fé em Deus – e nas escolas, que são lugares seguros, é obrigatório o uso de uma mordaça que é prejudicial ao processo de aprendizagem”, disse Filinto Lima à Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+