Tempo
|
A+ / A-

PSP de Leiria dá boas-vindas aos refugiados. Ficou combinado um jantar típico ucraniano

25 mar, 2022 - 19:56 • Teresa Paula Costa

Ação pioneira visou facilitar integração e mostrar que polícias são amigos. Iniciativa começou nas imediações do estádio municipal de Leiria onde homens, mulheres e crianças, estão alojados.

A+ / A-

Quarenta cidadãos ucranianos, que fugiram da guerra, foram acolhidos pela PSP de Leiria numa ação pioneira que visou facilitar a sua integração e mostrar que os polícias são amigos.

A ação começou nas imediações do estádio municipal de Leiria onde homens, mulheres e crianças, estão alojados.

Junto à porta 2 encontraram-se com a comitiva da PSP, que os acompanharia no elevador que os levaria até ao castelo. Na icónica fortificação, foram recebidos pelo “Falco”, a mascote da PSP nos eventos do programa Escola Segura.

Subiram depois para visitar o castelo, acompanhados da diretora, Isabel Brás, que lhes foi descrevendo a história e os acontecimentos que mais marcaram a vida do monumento e de quem o habitou.

Na ala real, foram surpreendidos pelo Quinteto de Metais da Banda da PSP, que lhes deu as boas-vindas com a canção “Uma Casa Portuguesa” celebrizada pela Amália Rodrigues.

Uma canção que traduz o espírito com que a PSP preparou a iniciativa: recebê-los com tudo o que os possa fazer sentir-se acolhidos e em segurança. Depois de um medley do filme “O Rei Leão”, os cidadãos ucranianos agradeceram o gesto, batendo as palmas e dizendo em português com sotaque: “Obrigado!”

Mas os agradecimentos não se ficariam por ali. A ação prosseguiu nas instalações do comando distrital da PSP de Leiria, alguns metros abaixo do castelo.

Ali, depois de um pequeno lanche, os adultos ucranianos participaram numa sessão de esclarecimento e sensibilização para com os cuidados a ter relativamente à segurança.

Segundo a intendente Mónica Rodrigues, a intenção foi “dar conselhos para reforçar a segurança pessoal, reduzindo o risco de serem vítimas do que quer que seja.” “Portugal é um país seguro”, salientou Mónica Rodrigues, mas “nem por isso podemos deixar de ter cuidados, porque a segurança começa em cada um de nós.”

Assim, foram dados conselhos sobre como proceder “na procura de uma casa e na procura de emprego”. Cuidados que todos devem ter em conta, mas que os ucranianos, também pelo facto de não dominarem a língua portuguesa, devem ter mais em conta, pois “nesta fase de integração, estão mais vulneráveis”, apontou a intendente Mónica Rodrigues.

Enquanto os adultos assistiam à sessão, os mais pequenos tiveram a oportunidade de se divertir num insuflável.

Outros puderam tomar contacto com os sinais de trânsito e conduzir uma bicicleta e carros a pedais. Uma forma de lhes incutir conceitos e princípios de segurança rodoviária.

Já os jovens adolescentes foram encaminhados para um pavilhão onde puderam conhecer os instrumentos que a PSP utiliza para investigar crimes.

Ali ficaram a conhecer formas e materiais que permitem à Polícia Técnica Forense descobrir impressões digitais, fluidos humanos e narcóticos.

Uma experiência que Yulya e Sofia, de 15 anos, não vão esquecer. As jovens afirmaram que a experiência as fez “sentirem-se polícias”.

Gostaram tanto que admitiram terem ficado com vontade de virem a ser polícias no futuro. Para já, o que é certo é que querem ficar em Portugal.

Também Olga Prevalova disse à Renascença estar emocionada com a iniciativa da PSP e todo o acolhimento que está a receber em Leiria. Porém, embora esteja no país com os três filhos e o marido, admite que ainda é cedo para pensar em ficar. O choque da guerra ainda não foi ultrapassado.

Esta ação de integração contou com a colaboração de vários ucranianos que se disponibilizaram para traduzir. Foi o caso de Constantin Dykiy, polícia músico que integra a Banda da PSP. Também Galina Ripko, bombeira da Corporação da Nazaré ajudou, assim como Svitlana Prebelyuk, empregada de limpeza na PSP.

O sucesso da ação foi tal que, no final, o comandante revelou que a PSP de Leiria não se vai ficar por aqui.

Ucranianos convidados a confecionar almoço

José Figueira anunciou à comitiva ucraniana que “vamos organizar na messe um jantar ou almoço ucraniano”, em que “eles se encarregarão de cozinhar um prato típico ucraniano e passarão os dias com os polícias”.

Esta “é uma forma de juntar a comunidade ucraniana sedeada em Leiria e de convivermos, para eles sentirem que estão em casa, que a Polícia é um amigo e que os acompanhará sempre”, frisou o comandante.

Esta ação de acolhimento e integração aos cidadãos ucranianos teve como objetivo “mostrar que a Polícia está aqui para os proteger, que temos sempre soluções para os problemas que eles possam vir a ter no seu processo de integração e que não os vai deixar abandonados”.

Por outro lado, foi uma forma de “desmistificar a questão da farda”, mostrando-lhes que “neste ponto da Europa, a Polícia tem uma grande proximidade com os cidadãos e que não há cidadãos de primeira nem de segunda, mas sim uma capacidade de integração de todos.”

Esta foi a primeira ação do género a realizar-se no país, acompanhando o exemplo de acolhimento demonstrado pela autarquia e demais instituições públicas e privadas ao disponibilizar o estádio municipal para acolher os refugiados.

No entanto, será replicada noutros distritos onde tenham sido acolhidos cidadãos ucranianos.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+