Tempo
|
A+ / A-

Estudo

Ansiedade e depressão são fatores de risco para insegurança alimentar

21 mar, 2022 - 21:42 • Redação

Investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto fizeram um estudo que conclui que existe uma relação entre o acesso deficitário a uma alimentação saudável e os sintomas de ansiedade e depressão. Três quartos da amostra são mulheres, com ensino superior e a trabalhar.

A+ / A-

As pessoas com sintomas de ansiedade e depressão estão em maior risco de insegurança alimentar, revela um estudo desenvolvido pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP).

A investigação, publicado pela revista científica Journal of Psychosomatic, foi conduzido entre novembro de 2021 e fevereiro de 2022 e baseou-se num questionário online, partilhado através das redes sociais.

Em declarações à Renascença, Ana Aguiar, investigadora do ISPUP responsável pelo estudo, explica que esta investigação pretende relacionar os sintomas de depressão e ansiedade com a insegurança alimentar. “Nós queríamos perceber inicialmente se existiria uma relação entre a insegurança alimentar e a saúde mental mais especificamente sintomas de depressão e ansiedade”, afirma Ana Aguiar.

O questionário divulgado online obteve 882 respostas que compuseram a amostra. Contudo, Ana Aguiar ressalva que “a amostra era maioritariamente constituída por mulheres, cerca de 76%, com ensino superior realizado na sua maioria, que se encontrava a trabalhar, e de ressalvar também que a maioria dos participantes encontravam-se no norte do país”.

A investigadora explica ainda que o estudo realizado permite não só concluir a ligação entre os sintomas de ansiedade e depressão e a insegurança alimentar, bem como que “esta relação é maior em pessoas com menos de 12 anos de escolaridade, pessoas que à data se encontravam desempregadas e ainda pessoas que demostravam ter um maior cuidado com os seus gastos familiares”, relata à Renascença.

Ana Aguiar ressalva que a amostra não é representativa da população, mas que os resultados obtidos devem ser tidos em conta e “nos permitem relacionar os sintomas de depressão e ansiedade como causadores de insegurança alimentar”.

Dos 882 inquiridos, 6,8% encontravam-se numa situação de irregularidade alimentar, e desses, 22,2% apresentavam sintomas de depressão e 61,7% de ansiedade. Fazendo as contas, cerca de 59 encontravam-se numa situação de insegurança alimentar, desses 59, 13 apresentavam sintomas de depressão e 36 de ansiedade.

Relativamente ao total dos inquiridos, Ana Aguiar ressalta que 6,5% tinham sintomas de depressão e 26% sintomas de ansiedade, ainda que não apresentassem necessariamente insegurança alimentar.

Apesar das discrepâncias relativamente a outros estudos, onde a amostra não foi maioritariamente do sexo feminino, Ana Aguiar diz que os resultados “são de valorizar”. Num futuro próximo deve-se, ainda, “perceber se é a insegurança alimentar que leva a uma pior saúde mental ou o contrário”, remata a investigadora.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+