Tempo
|
A+ / A-

Aumentam exigências para candidatos à naturalização de descendentes de judeus sefarditas

16 mar, 2022 - 07:06 • Redação com Lusa

Inquérito à atribuição de nacionalidade portuguesa a Roman Abramovich resultou num procedimento disciplinar.

A+ / A-

O Governo aumentou o controlo sobre candidatos à naturalização de descendentes de judeus sefarditas.

Depois da polémica atribuição da nacionalidade portuguesa ao russo Roman Abramovich, o Executivo quer exigir uma ligação objetiva a Portugal por parte dos potenciais candidatos à naturalização.

A herança de um imóvel em território português ou a comprovação de visitas a Portugal ao longo da vida são algumas das medidas adicionais contempladas na regulamentação, avança o jornal Público. Além disso, o processo de certificação continua a ter de ser suportado com documentos comprovativos da descendência de judeus.

O decreto-lei já foi promulgado pelo Presidente da República, no passado dia 9, e deve entrar em vigor nos próximos dias.

O dono do Chelsea, e figura próxima do Presidente russo, Vladimir Putin, obteve nacionalidade portuguesa em abril de 2021, num processo que terá sido aprovado e finalizado em tempo recorde.

O caso motivou mesmo acusações do principal opositor de Putin. Alexey Navalny criticou Portugal, um país da NATO, por ter concedido cidadania a Abramovich, que descreve como o “oligarca mais próximo do Presidente russo”. Navalny acrescenta que “as autoridades portuguesas carregam malas de dinheiro”.

Inquérito dá origem a processo disciplinar

O Instituto de Registos e Notariado (IRN) adiantou que o inquérito à atribuição de nacionalidade portuguesa ao oligarca russo Roman Abramovich resultou num "procedimento disciplinar", sem especificar quantos funcionários são visados.

Em janeiro, a presidente do IRN, Filomena Rosa, revelou que tinha sido aberto um inquérito ao processo de naturalização de Abramovich no âmbito da lei dos judeus sefarditas, estimando na altura que o inquérito estivesse concluído em fevereiro e explicando que esse inquérito poderia dar azo a um processo disciplinar, o que agora se confirma.

A investigação no âmbito do processo de naturalização de Abramovich, que levou à detenção na quinta-feira do líder religioso da Comunidade Judaica do Porto (CJP), o rabino Daniel Litvak, implicou a realização de buscas e envolve suspeitas de vários crimes, nomeadamente tráfico de influências, corrupção ativa, falsificação de documento, branqueamento de capitais, fraude fiscal qualificada e associação criminosa, indicaram a Polícia Judiciária (PJ) e o Ministério Público (MP) num comunicado conjunto.

Segundo a direção da CIP/CJP, um dos seus membros foi também indiciado dos crimes de tráfico de influência, fraude fiscal, branqueamento e falsificação de documentos.

Em causa estarão alegadas irregularidades cometidas em processos de atribuição da nacionalidade portuguesa a descendentes de judeus sefarditas, que se encontram em investigação. Os judeus sefarditas são originários da Península Ibérica expulsos de Portugal no século XVI.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    16 mar, 2022 Madeira 13:22
    Mesmo à portuguesa. Casa roubada trancas à porta. Tristeza!

Destaques V+