Tempo
|
A+ / A-

Ordem dos Médicos envia quatro profissionais para a Polónia

15 mar, 2022 - 07:04 • Lusa

Vão dar apoio à "Missão Ucrânia", uma iniciativa da sociedade civil que está a atuar na Polónia para preparar o acolhimento em Portugal de cerca de 400 refugiados.

A+ / A-

Quatro médicos, incluindo uma ucraniana, partem esta terça-feira para a cidade polaca de Cracóvia para apoiar a viagem de cerca de 400 refugiados ucranianos até Portugal, numa iniciativa da Ordem dos Médicos.

Os médicos, enquadrados no recém-criado gabinete de apoio humanitário da OM, vão dar apoio à "Missão Ucrânia", uma iniciativa da sociedade civil que está a atuar na Polónia para preparar o acolhimento em Portugal de cerca de 400 refugiados.

Segundo o bastonário Miguel Guimarães, citado em comunicado da Ordem, os quatro médicos irão fazer um trabalho "de triagem no terreno, organização e produção de registos clínicos essenciais e de acompanhamento ao longo de todo o percurso para Portugal". O regresso está previsto para sábado.

Três dos médicos "têm uma vasta experiência" em missões humanitárias, inclusive em cenários de guerra, sendo que o quarto, uma médica ucraniana que exerce em Portugal, "será vital para facilitar a comunicação entre os profissionais e os cidadãos ucranianos", refere o comunicado, acrescentando que a Cruz Vermelha Portuguesa cedeu material médico e malas de primeiros socorros.

A Ordem dos Médicos adianta que, também através do gabinete de apoio humanitário, "está também a facilitar a receção dos refugiados" em Portugal, "nomeadamente colocando-os em contacto com os médicos ucranianos" que trabalham no país.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 564 mortos e mais de 982 feridos entre a população civil e provocou a fuga de cerca de 4,8 milhões de pessoas, entre as quais 2,8 milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+