Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Notícia Renascença

Ministério da Educação revela como vai fazer o acolhimento aos alunos ucranianos

08 mar, 2022 - 08:09 • Fátima Casanova com redação

À Renascença, o presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas defende que os novos alunos devem ser integrados em escolas que tenham os recursos humanos adequados.

A+ / A-

O Ministério da Educação vai explicar, esta terça-feira, de que forma é que as crianças e jovens ucranianos vão ser acolhidos nas escolas.

A Renascença sabe que tem estado a ser preparado um conjunto de medidas e que todas as explicações devem ser dadas nas próximas horas.

Antecipando orientações que o ministério possa vir a anunciar, o presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, Filinto Lima, defende que estes novos alunos devem ser integrados em escolas que tenham os recursos humanos adequados. “É evidente que aqui o principal será a existência de recursos humanos, ou seja, esses alunos devem ser alocados a escolas onde de facto haja professores para lecionar, por exemplo o português, língua não materna. Para mim isso parece-me ser o essencial.”

“Depois também ao nível dos serviços de psicologia e de orientação. Esses alunos, seguramente alguns deles, se não todos, terão de ser acompanhados por psicólogos escolares”, acrescenta.

O presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas acrescenta ainda que, eventualmente, será necessário contratar mais profissionais para as escolas.

“Dependendo das escolas, onde esses alunos vão ser colocados, eventualmente poderá ser necessário recorrer a mais recursos humanos, em algumas escolas”, conclui.

A guerra na Ucrânia entrou no 13º dia de combates. A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar com três frentes na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamentos em várias cidades. Segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de 1,7 milhões de refugiados na Polónia, Hungria, Moldávia e Roménia, entre outros países.

O Presidente Vladimir Putin justificou a "operação militar especial" na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional, e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas para isolar ainda mais Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    08 mar, 2022 Palmela 11:26
    E com os russos que ca estao vai fazer o que ? Vai permitir que sejam humilhados? Conheco dois meninos russos !

Destaques V+