Tempo
|
A+ / A-

​Mil médicos portugueses disponíveis para missões humanitárias

08 mar, 2022 - 10:50 • Anabela Góis , Cristina Nascimento

Clínicos subscreveram uma carta aberta na qual exigem um cessar-fogo e a abertura de corredores humanitários.

A+ / A-

Veja também:


Cerca de mil médicos portugueses estão disponíveis para integrar missões humanitárias na fronteira com a Ucrânia e para dar apoio aos refugiados que chegam ao nosso país.

O número é avançado à Renascença pelo bastonário da Ordem dos Médicos que já deu conta desta disponibilidade aos Ministérios da Saúde e da Administração Interna.

“Houve cerca de mil médicos que se ofereceram para ajudar. As pessoas estão disponíveis agora vamos ver o que é preciso, porque não tivemos nenhuma solicitação ainda relativamente a esta colaboração”, explica o bastonário.

Miguel Guimarães explica que estão a concertar posições com a Cruz Vermelha e garante que “quando começarmos a ter, quando começarmos a receber mais refugiados ou quando se verificar que há necessidade de irmos ajudar para a Polónia, para a Roménia, então ativam-se os mecanismos”.

Para além destes mil médicos portugueses, a Ordem também conta com a disponibilidade dos 320 médicos ucranianos a trabalhar em Portugal alguns dos quais se ofereceram até para ir para a zona e guerra.

Cerca de sete mil médicos assinaram, entretanto, uma carta aberta a exigir o cessar-fogo imediato na Ucrânia e a abertura de corredores humanitários para que a ajuda chegue a quem precisa.

Miguel Guimarães explica que exigem “um cessar-fogo” que “enquanto isso não acontece que sejam criados de facto corredores humanitários independentes e livres para que as pessoas possam ser tratadas, possam ter acesso a cuidados de saúde”.

“Neste momento, o sofrimento que está a acontecer no terreno de guerra é totalmente inaceitável no século XXI”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+