Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Queixas sobre serviços de comunicações continuam a aumentar

03 mar, 2022 - 08:07 • Olímpia Mairos

Os consumidores portugueses apresentaram no último ano quase 129 mil queixas contra os prestadores de telecomunicações.

A+ / A-

As queixas contra os prestadores de serviços de comunicações aumentaram 1% em 2021 face ao ano anterior. Segundo o relatório anual da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), foram registadas 128,5 mil reclamações no ano passado, mais 1,1 mil do que em 2020.

As comunicações eletrónicas foram o sector mais reclamado, com 80,7 mil reclamações, o que corresponde a 63% do total de reclamações, menos 8% face a 2020, mas ainda longe dos valores registados no período pré-pandémico (+10,7 mil reclamações face a 2019).

A ANACOM explica que as comunicações eletrónicas foram o setor mais reclamado, com 80,7 mil reclamações, o que corresponde a 63% do total de reclamações, menos 8% face a 2020, mas ainda longe dos valores registados no período pré-pandémico (+10,7 mil reclamações face a 2019).

Já os serviços postais, continuaram a crescer, o que se verifica desde 2019, tendo registado um aumento de 20% (+8,1 mil reclamações) em 2021. Este setor foi responsável por 47,8 mil reclamações, 37% do total de reclamações, detalha a ANACOM.

No setor das comunicações eletrónicas, a Meo foi o prestador de serviços mais reclamado, com 35% do total das reclamações, seguida da Nos, com 32%, da Vodafone, com 30% e da NOWO com 4%.

O relatório da ANACOM detalha ainda que entre os prestadores mais reclamados, " a Nos foi também o que registou o maior número de reclamações por mil clientes (10), acima da média do sector (7). Seguiram-se a Vodafone (7) e a MEO (6)”.

A faturação de serviços é o tema que concentra mais queixas, com 26% do total de reclamações do settor, dominado sobretudo pelas queixas sobre a cobrança de valores considerados indevidos por não concretização de condições acordadas e por serviços não prestados ou consumos não realizados.

Destaque também para as questões relacionadas com a contratação de serviços, com 24%, em particular, a ativação de serviços sem consentimento e as falhas nos serviços, com 21%.

Atrasos na entrega dominam reclamações no setor postal

Segundo os dados da ANACOM, o atraso na entrega, sobretudo de objetos postais internacionais, e as dificuldades na entrega ao domicílio dominaram as reclamações sobre serviços postais, tendo sido mencionados em 27% e 25% das reclamações deste sector, respetivamente.

Os CTT são o operador com mais reclamações no setor, correspondendo a 86% das reclamações registadas, mais 10,9 mil reclamações ou 36% face a 2020.

Aumentaram sobretudo as reclamações relacionadas com o desalfandegamento de objetos postais (9%), em virtude das novas regras relativas à circulação postal proveniente de fora do espaço da União Europeia, que entraram em vigor na segunda metade do ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+